Preso bando acusado de cometer chacina no Pará

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 14 de novembro de 2003 as 20:13, por: cdb

Após dois meses de trabalho, policiais civis da Divisão de Investigações e Operações Especiais (DIOE) prenderam seis pessoas apontadas por envolvimento em crimes de pistolagem e supostamente envolvidas na chacina de São Félix do Xingu, no Sul do Pará. Além de Sebastião Ferreira Lacerda, o Sansão, preso desde o mês passado, as diligências resultaram nas prisões do pistoleiro Daniel Pinheiro da Silva, 26 anos (apontado como o líder do grupo), Antônio José Manoel da Silva, Genival Paixão Moreira e duas mulheres: Wandirene do Socorro Alves da Silva (mulher de Daniel) e uma menina, todos naturais do Maranhão.

Eles são acusados de executar sete trabalhadores rurais e um fazendeiro, no dia 13 de setembro passado, na fazenda Primavera, na Vila Taboca, em São Félix. Os motivos do crime foram praticados por causa da grilagem de terras, de acordo com o delegado Vicente de Paulo Costa, diretor do Departamento de Polícia Especializada (DPE), responsável pelo gerenciamento das atividades desempenhadas pelos policiais da DIOE, naquela região.

As prisões foram realizadas no aeroporto de Araguatins (TO), por agentes da Polícia Civil do Tocantins, no momento em que os acusados tentavam deixar aquela região em avião fretado por Daniel, com destino ao Maranhão. Eles iam fugir por Tocantins, porque a fronteira do Pará com Maranhão está sendo monitorada pela polícia.

Em poder de Daniel e de Antônio José, os policiais apreenderam uma pistola e um revólver calibre 38. Por isso, eles foram autuados em flagrante pelo crime de porte ilegal de armas de fogo. Eles também responderão por homicídio e formação de bando ou quadrilha. Em razão da violência no Sul do Pará, o delegado garantiu que serão instituídos núcleos de Polícia especializada em São Félix do Xingu e demais cidades.

Daniel Pinheiro da Silva foi o comandante da chacina de São Félix do Xingu, segundo levantamento da polícia. Ele já responde a sete inquéritos policiais e é acusado como autor de 20 homicídios. O medo imposto pelo bando do pistoleiro é um dos maiores entraves às investigações, mas, para o delegado,com a prisão de Daniel, haverá mais rapidez na apuração dos crimes.