Presidentes de bancos centrais temem deflação na economia mundial

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 28 de junho de 2003 as 17:04, por: cdb

Os principais presidentes de bancos centrais do mundo afirmaram neste sábado que a recuperação da economia global será lenta.

Reunidos na Suíça para o encontro anual do Banco para Compensações Internacionais (BIS, na sigla em inglês), eles prevêem “uma lenta e gradual aceleração no mundo a partir do ano que vem”, disse o presidente do Banco da Inglaterra, sir Edward George.

“A preocupação não é inflação, mas deflação”, afirmou Abdulla Alattiya, presidente do BC do Catar. “É sempre um desafio para os bancos centrais e para os formuladores de política.”

Outra autoridade presente ao encontro, que pediu para não ser identificada, afirmou que o tema deflação esteve fortemente presente nas discussões de sábado.

– O humor é caracterizado como otimismo cauteloso… do tipo escondido – afirmou a repórteres o presidente do Banco do Canadá, David Dodge, após a primeira sessão de discussão na Basiléia.

Entre os participantes do encontro estão o presidente do Federal Reserve, Alan Greenspan, o presidente do Banco Central Europeu, Wim Duisenberg, e seu possível substituto, o presidente do Banco da França, Jean-Claude Trichet.

O presidente do BC japonês, Toshihiko Fukui, estava particularmente otimista.

– Esperamos uma recuperação lenta mas contínua da economia japonesa no último semestre do ano, em sintonia com a economia global – disse ele.

As discussões devem estar centradas nos desafios da política monetária em um ambiente marcado por temores de deflação, além do impacto da desvalorização do dólar e a persistente fraqueza da produção.

O crescimento médio das principais economias mundiais deve ser de 1,7 por cento este ano, de acordo com as previsões da empresa Consensus Economics.

Os Estados Unidos, que geralmente são o motor da economia mundial, atravessam um momento de incerteza sobre recuperação, além dos temores quanto à deflação, os quais também atingem a Europa.