Presidente do Egito diz que execução fez de Saddam um mártir

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 5 de janeiro de 2007 as 17:14, por: cdb

As circunstâncias do enforcamento de Saddam Hussein transformaram o ex-líder iraquiano em um mártir, afirmou o presidente do Egito, Hosni Mubarak, em uma entrevista publicada nesta sexta-feira. Mubarak disse ao jornal israelense Yediot Ahronot que as imagens não-oficiais da execução de Saddam eram “revoltantes e bárbaras”. A entrevista foi reproduzida também pela agência oficial de notícias egípcia.

As cenas caóticas da execução, durante a qual Saddam foi insultado, receberam condenação em todo o mundo. O Egito é um importante aliado regional dos Estados Unidos e um dos dois únicos Estados árabes a ter assinado um tratado de paz com Israel, ao lado da Jordânia.
Mubarak havia aconselhado fortemente os Estados Unidos a não liderarem a invasão ao Iraque
em 2003 na qual Saddam Hussein foi deposto.

Mubarak também revelou na entrevista que havia enviado uma mensagem ao presidente americano, George W. Bush, para pedir a ele que não permitisse que a execução ocorresse durante o Eid al-Adha, a festvidade islâmica que marca o fim do período do Hajj, a peregrinação anual a Meca.

As autoridades americanas, incluindo Bush, procuraram se distanciar da maneira como a execução foi feita, mas insistiram que a Justiça havia prevalecido.

– Pessoas são executadas em todo o mundo, mas o que aconteceu em Bagdá no primeiro dia do Eid al-Adha foi impensável. Não acreditei que isso pudesse estar acontecendo -, disse Mubarak.

– Por que eles tinham que correr? Por que enforcá-lo quando as pessoas estão recitando suas preces do feriado? E depois, as imagens da execução foram revoltantes e bárbaras -, afirmou.

– Eu não estou dizendo se Saddam merecia ou não a pena de morte. Também não estou colocando em questão se o tribunal foi justo (com o país) sob ocupação -, finalizou.

As relações entre o Egito e o Iraque eram amistosas até a invasão iraquiana do Kuwait, em 1990. O Egito participou militarmente na coalizão internacional que expulsou as forças iraquianas do Kuwait.