Presidente das Maldivas é reeleito para 6º mandato

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 19 de outubro de 2003 as 20:51, por: cdb

O presidente das Maldivas, Maumoon Abdul Gayoom, o líder que permanece há mais tempo no poder em toda a Ásia, venceu facilmente um referendo que lhe deu mais cinco anos no cargo.

Gayoom, há 25 anos no poder, começa seu novo mandato em 11 de novembro, após vencer o referendo de sexta-feira. A votação ocorreu três semanas após um distúrbio inédito que abalou o país, mais conhecido por seus resorts superluxuosos.

– O presidente obteve 90%, cerca da mesma quantidade da última vez – disse uma autoridade do governo.

Nas Maldivas, há apenas um candidato, que precisa de 51% dos votos para ser eleito. A autoridade disse que com todas as 414 urnas contabilizadas, Gayoom teve 90,28% dos votos. Nos cinco últimos referendos na nação, composta por 1,2 mil ilhas espalhadas por 800 quilômetros, Gayoom venceu com pelo menos 90% dos votos.

Cerca de metade dos 300 mil cidadãos do país podem votar. Foram necessários dois dias para se obter o resultado porque as urnas precisaram ser transportadas para a capital, Male, por barco.

Em Male, local dos distúrbios que pediam por reforma e faziam acusações sobre violações de direitos humanos, 68,68% dos moradores votaram “sim”, em comparação a 76,37% cinco anos atrás.

Nos distúrbios de setembro, provocados pela morte de quatro presidiários em uma repressão dentro de uma penitenciária, os manifestantes incendiaram o escritório da Divisão Eleitoral. Gayoom, que se elegeu pela primeira vez em 1978, defende seu modo de governar o país, dizendo que ele trouxe forte crescimento às ilhas de areia branca que atraem mais de 400 mil visitantes por ano.

– Não há abusos sistemáticos dos direitos humanos nas Maldivas. E não há prisões arbitrárias. As pessoas são julgadas em tribunais abertos e têm acesso a advogados – ele disse no programa Asia Today da BBC World, às vésperas do referendo.

– A vasta maioria das pessoas acredita que nós temos uma boa democracia e que nosso sistema democrático é bom e saudável – acrescentou.

Depois que Gayoom venceu um voto contra outros três candidatos no Parlamento no mês passado, não houve uma campanha oficial, embora a mídia pró-governo tenha publicado artigos elogiosos sobre ele.