Presidente da Câmara concorda com Dirceu sobre juros

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 26 de maio de 2003 as 18:25, por: cdb

O presidente da Câmara dos Deputados, deputado João Paulo Cunha (PT-SP), concordou nesta segunda-feira com as declarações do ministro da Casa Civil, José Dirceu, sobre a taxa de juros da economia.

“Ele está correto, do meu ponto de vista”, disse João Paulo a jornalistas ao chegar à 19ª Convenção Paulista de Supermercados realizada em São Paulo.

Dirceu afirmou na última sexta-feira (23), durante seminário do PT, que os juros altos estão desestimulando a atividade econômica do país. O ministro deu as declarações a uma platéia de petistas sem saber que as declarações estavam sendo transmitidas ao vivo para jornalistas.

Mesmo concordando com Dirceu sobre os efeitos da alta taxa de juros, João Paulo defendeu a política econômica restritiva e lembrou que os juros são adequados a esta política.

– Não dá para tentar estabelecer juros para uma política que não tem correspondência.

João Paulo considerou exagerada a repercussão das declarações de José Dirceu. “A minha impressão é que estão fazendo tempestade em copo d’água”, disse.

– O ministro não falou nada demais. Aquilo que ele disse na reunião do PT poderia ser afirmado publicamente que não teria nenhum problema.

Na última quarta-feira (21), o Banco Central manteve a taxa de juros básica em 26,5%, apesar da pressão de empresários e de integrantes do governo, como o vice-presidente José Alencar.

Após fazer as declarações aos jornalistas, João Paulo repetiu suas afirmações espontaneamente para uma platéia de donos e executivos de supermercados, que sempre criticam taxas elevadas de juros.

Ele afirmou ainda que espera que as reformas da Previdência e tributária sejam votadas em cerca de 90 dias aproximadamente.

Na última participação de João Paulo a um evento da Associação Paulista dos Supermercados (Apas), em março, ele afirmou que o governo “batia cabeça”, causando um embaraço para a administração do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.