Prefeitura vai asfaltar 7,4 km no Columbia e Anache com liberação de R$ 1,6 milhão

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 1 de março de 2012 as 07:47, por: cdb

Obras Quinta-Feira 01 de Março de 2012

Prefeitura vai asfaltar 7,4 km no Columbia e Anache com liberação de R$ 1,6 milhão

Foto:Denilson Secreta  
As bacias têm a função de diminuir a velocidade da água que chega ao leito do córrego
Com a liberação de R$ 1,6 milhão pela Secretaria Nacional de Defesa Civil, saldo do convênio 374 de 2008, a prefeitura vai executar drenagem e pavimentação de 7,4 quilômetros de ruas no Jardim Anache, nas proximidades do Hospital São Julião. Está previsto o asfaltamento das ruas Elias Chacha, Manche Catan Davi, Sebastião Gomes Monteiro, Jacob Georges, Farid Georges, Pixuana, Tapuá e o recapeamento da Rua Lino Villacha, acesso ao Hospital São Julião. Os recursos foram repassados à prefeitura na quarta-feira.

O convênio 374 assinado pela Prefeitura de Campo Grande com o Ministério da Integração Nacional em junho de 2008, previa o repasse de R$ 8,7 milhões com a contrapartida do município de R$ 969 mil. Um mês depois, no dia 7 de julho, o Ministério fez o primeiro repasse até chegar, em 13 de julho de 2008, ao total de R$ 7.053.360,44 liberados.

As chuvas que caíram em março de 2008 levaram o aterro da via de acesso ao Hospital São Julião (a rua Lino Villacha), abrindo uma cratera que, além de interditar o trânsito no local, colocou em risco o muro da Escola Municipal Nazira Anache. A prefeitura decretou situação de emergência no local, reconhecida pela Secretaria Nacional de Defesa Civil, além de ter elaborado o projeto para controle da erosão.

Os recursos se destinaram às obras de controle da erosão no Córrego Botas, incluindo drenagem e pavimentação de 75 mil metros quadrados de pavimentação nos bairros Jardim Columbia e Anache. Com os R$ 7 milhões que já tinham sido liberados pelo Ministério da Integração Nacional, a prefeitura executou as obras para controle da erosão no Córrego Botas e fez 25 mil metros quadrados de pavimentação das avenidas Carumã e Uraçá e a rua Urariocara Estas obras foram inauguradas em agosto de 2010.

Segundo o secretário de Infraestrutura, Transporte e Habitação, João Antonio De Marco para controlar a erosão no Córrego Botas foram construídas duas bacias de reservação, com capacidade para receber 25 mil metros cúbicos de enxurrada que descem dos bairros Nova Lima e Jardim Anache. A função dessas bacias é diminuir o volume e a velocidade da água que chega até o leito do córrego. Também foram feitas 21 barragens de contenção e armazenamento da água ao longo do córrego, duas barragens de sedimentação, feitas de mantas geotécnicas, além de seis câmaras de amortecimento de gabião e pedra.

O secretário lembra que o solo da região do bairro Nova Lima é propício à erosão. “E isto fazia com que a água que descia em alta velocidade causasse erosão que, por sua vez, só ia aumentando uma vez que havia drenagem para o escoamento desta enxurrada”, explicou o titular da Seintrha. De Marco acredita que, com o passar do tempo, o passivo ambiental será recuperado. “A natureza se encarregará disto”, citou o secretário.

“A bacia funciona como um coador: vai reter a areia e a água vai passar com menor velocidade. Já as células de amortecimento serão feitas de gabião e pedra, ao longo do córrego”, explica o secretário.

Conforme o prefeito, esta é a segunda grande obra para conter a erosão em Campo grande. A primeira foi na avenida Cônsul Assaf Trad, próximo ao anel viário na saída para Cuiabá. A via também foi danificada pelo temporal de março de 2008.

Fonte/Autor: Flávio Paes DRT/MS 07