Prefeitura de Itaboraí estuda implantar projeto de VLT

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 27 de março de 2012 as 13:53, por: cdb

Normal
0
21

false
false
false

MicrosoftInternetExplorer4

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin:0cm;
mso-para-margin-bottom:.0001pt;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:10.0pt;
font-family:”Times New Roman”;
mso-ansi-language:#0400;
mso-fareast-language:#0400;
mso-bidi-language:#0400;}

Itaboraí de volta aos trilhos. Esse é o objetivo do Projeto Central – Aceleração do Transporte Ferroviário no Rio de Janeiro, apresentado na Prefeitura de Itaboraí na última segunda-feira (26), que irá oferecer à população o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), dando mais rapidez na locomoção e minimizando os transtornos com o transporte rodoviário vividos diariamente pelos moradores da região Leste Fluminense.

O VLT pretende beneficiar cerca de quatro milhões de pessoas, passando pelo seguintes trechos: Saracuruna – Guapimirim; Magé – Visconde de Itaboraí; Niterói – Visconde de Itaboraí (Linha 3) e Santa Cruz – Itaguaí.

De acordo com o chefe de Gabinete, José Roberto Salles, o planejamento na área rodoviária é fundamental para diminuir os problemas já enfrentados pela população itaboraiense com a chegada do Comperj. “É urgente a criação de um novo meio de locomoção para os moradores. O número de pessoas que sai da nossa região para ir ao Rio é muito grande”, disse.

Em Itaboraí, só a empresa de ônibus Rio Ita atende mais de 55 mil trabalhadores por dia. “O tempo que as pessoas passam dentro do transporte público até chegar ao local de trabalho e depois retornar às suas casas é absurdo. Esse problema precisa ser solucionado, através de um trabalho conjunto das prefeituras, dos governantes, das associações e das comunidades”, destacou José Roberto.

Prioridade

Para o representante do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Rio de Janeiro (CREA-RJ), Luiz Antonio Cosenza, o transporte é tão importante quanto Saúde e Educação. “Tem que ser tomada uma providência nessa área, antes que o caos seja instalado”, disse. Hoje, o transporte rodoviário é responsável por 92% dos usuários, enquanto metrô, trem e barcas atingem somente 8% do total.

“A nossa proposta é contribuir para formulação e desenvolvimento de políticas públicas, capazes de atender às necessidades da população e promover igualdade e bem-estar coletivo”, afirmou Luiz Mario Macaco, secretário geral da Federação Municipal das Associações de Moradores e Entidades de Guapimirim (FAMEG), acrescentando que as prefeituras de Duque de Caxias, Magé, Guapimirim e Tanguá já estão apoiando o projeto.

 

 

Por Francine Carla / Foto Sandro Giron