Prefeitura de Ipatinga ultrapassa meta da agricultura familiar na alimentação escolar

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 24 de janeiro de 2012 as 16:25, por: cdb

(24/01/2012) – EducaçãoPrefeitura de Ipatinga ultrapassa meta da agricultura familiar na alimentação escolar

A Prefeitura de Ipatinga abriu, no último dia 20 de janeiro, a chamada pública para agricultura familiar que vão fornecer produtos para a merenda escolar. A previsão é que sejam investidos mais de R$ 2 milhões, 59% a mais que o ano anterior. A chamada será validada para os próximos dois anos.

De acordo com o secretário de Educação de Ipatinga, Maurício Mayrink, no mês de dezembro foi realizada a chamada pública, onde diversos agricultores participaram do encontro. A chamada pública está no valor de R$ 2.169.413,20. “Parte deste recurso é repassada pelo FNDE, sendo cerca de R$ 1,7 milhão”, explicou.

Conforme a gerente da Seção de Atendimento ao Estudante, Eusa Maria, todos os agricultores interessados em vender seus produtos para Ipatinga podem ligar no telefone (31) 3829-8063. Para a escolha dos itens foi feita uma pesquisa onde os próprios produtores informaram os itens que teriam para fornecer. A lista conta com verdura, legumes, frutas, doces, farinha, leite e frutas de época. Isso contempla toda diversidade do campo.

Participam deste processo membros da Associação dos Agricultores Familiares de Ipatinga (Aagrifipa), Associação Comunitária do Córrego Santo Estevão (Acose), Associação dos Agricultores do Barração do Produtor de Inhapim (Agrifami) e Cooperativa de Produção e Consumo Familiar Nossa Terra, do Rio Grande do Sul.

Maurício Mayrink lembrou que em 2011 várias ações foram desenvolvidas com o objetivo de atingir a meta do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Além disso, a Secretaria de Educação intensificou a parceria com Emater que vem prestando trabalho de qualidade junto aos agricultores. “Mantemos contínuo contato com as extensionistas de Inhapim, Iapu e de Ipatinga, a fim de conhecer a realidade agrícola e as dificuldades dos agricultores destas regiões, bem como, tivemos acesso aos demais escritórios da Emater”, disse Maurício Mayrink.

Por: ACS/PMI