Prefeito anuncia melhorias na mobilidade, saúde e segurança

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 25 de janeiro de 2012 as 13:31, por: cdb

O prefeito Luciano Ducci reuniu-se nesta quarta-feira (25) com empresários e lideranças da região do Uberaba, na Regional Cajuru. O prefeito apresentou um pacote de obras e projetos para o local, o que inclui o viaduto estaiado na Avenida das Torres – grande obra que deverá ser concluída até março de 2013 – e a trincheira da rua Chile, com previsão de entrega para daqui a dois meses.

“Uma das grandes vantagens de Curitiba ser uma das cidades-sede da Copa do Mundo de 2014 foi o fato de conseguirmos viabilizar antecipadamente os recursos para as grandes obras”, disse Luciano Ducci. Ele afirmou que o primeiro viaduto estaiado da cidade, além de ter imensa importância na melhoria do fluxo de trânsito, irá embelezar muito a região. “Será uma obra de arte”, elogiou.

Para melhorar o fluxo do trânsito na região, o prefeito citou outros projetos, como uma trincheira atrás do prédio da Fiep, que excluirá o sinaleiro da via que dá acesso ao Jardim Botânico.

Segundo o presidente do Ippuc, Cléver Almeida, na Avenida das Torres, entre a Linha Verde e a rua Brasílio Itiberê, haverá a substituição de algumas torres por “super-postes”, o que permitirá a diminuição do canteiro central, possibilitando a criação de mais duas pistas de escoamento de trânsito. Em alguns trechos de conversão permitida, será construída uma quarta faixa. “Tudo isso irá melhorar muito a capacidade da via”, disse Cléver.

Durante o encontro, foi anunciada também a elaboração de um projeto de revitalização da Avenida Salgado Filho, obra que será feita em duas etapas e incluirá melhoria de pistas, calçadas, iluminação e drenagem. “A primeira fase deve se iniciar ainda neste ano e o projeto deve estar concluído em 2013, disse o prefeito.

Em relação à segurança pública, Ducci antecipou que uma ação em parceria com o governo do Estado será anunciada em breve, que beneficiará os moradores dos bairroso Cajuru e Uberaba. “Temos feito várias reuniões com o governo do Estado e um projeto importante está previsto para a região, em março”, afirmou.

Na lista de melhorias para a Regional Cajuru, o prefeito citou ainda a Rua da Cidadania que já está em obras e o Mercado do Produtor do Capão da Imbuia, que deverá ser entregue em maio.

Destacou também a grande intervenção no bolsão Audi-União, onde será inaugurada o Centro Municipal de Educação Infantil Ruth Cardoso, com capacidade para 260 crianças, e o Clube da Juventude, com piscina, ginásio coberto e teatro grego, entre outros equipamentos. “Isso estimulará as crianças a praticarem esportes, ficando longe das drogas”, disse.

Para a região está prevista ainda a substituição de 40 quilômetros de anti-pó antigo por asfalto. “Temos muitas obras previstas e acontecendo na Regional Cajuru, local da cidade que tem muita história”, afirmou Luciano Ducci. Ele comentou que tem uma ligação pessoal forte com a região, já que era morador da Avenida Salgado Filho na infância, onde estudou nos colégios estaduais Elysio Vianna e Pio Lanteri.

Representantes da comunidade que estavam presentes no encontro elogiaram as iniciativas do município. “Perdi o fôlego com a quantidade de obras apresentadas aqui hoje”, comentou o empresário Pedro Forcadell, presidente do Conselho de Segurança do Jardim das Américas. “Fico feliz ao ver a Prefeitura tão empenhada em melhorar a nossa região”, disse.

Um dos moradores mais antigos do bairro, o motorista aposentado Hellmuth Kroska participou do encontro e disse estar ansioso para ver prontas as melhorias anunciadas pelo prefeito. Há 83 anos ele morava numa chácara, onde seus pais tinham uma leiteria, no local em que hoje está o cartório do Uberaba. “Lembro quanto a Salgado Filho foi a primeira rua de Curitiba a receber asfalto”, disse.

Participaram do encontro o  presidente do Ippuc, Clever Almeida; o secretário municipal de Relações Institucionais, Hélio Wirbinski; o secretário de Relações com a Comunidade, Fernando Guedes, a administradora da Regional Cajuru, Maria Izabel de Paula; a superintendente da FAS, Maria de Lourdes San Roman; o deputado federal Fernando Francischini e o presidente da Associação Comercial e Industrial do Uberaba e Região, Chico do Uberaba, além de empresários, executivos e lideranças comerciais e religiosas da região.

Viaduto Estaiado –  Serão investidos R$ 95 milhões na construção do viaduto estaiado. A metade deste valor será contrapartida do Município. O viaduto  passará por cima da avenida das Torres, no cruzamento com a rua Coronel Francisco H. dos Santos. Terá 129 metros de vão livre, de um lado a outro da rodovia que faz parte do corredor Aeroporto-Rodoferroviária. Esta será a extensão das quatro pistas de rolagem que ficarão suspensas por 21 cabos de aço ancorados num pilar de 74 metros de altura.

A obra será um marco arquitetônico que poderá ser visto de vários pontos de Curitiba e também do município vizinho de São José dos Pinhais. Quando pronto, o viaduto estaiado – sob a perspectiva de quem passará por baixo dele, pela avenida das Torres – terá seis metros de altura, desde a base do asfalto até o tabuleiro (pista do viaduto).

Serão mais 68 metros de altura de quem sob a ótica desde as quatro pistas do viaduto (na extensão da Francisco H. dos Santos por sobre a Avenida das Torres) até o topo do pilar que ancora os cabos de sustentação. A distância de um lado a outro é de 129 metros.

“O viaduto deixará melhor o fluxo de importante corredor viário da cidade, e ao mesmo tempo agregará valor estético à paisagem. Será um cartão postal” afirma o presidente do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), Cléver Almeida.

Mobilidade – O projeto do viaduto estaiado elaborado pelo Ippuc preserva a possibilidade de implantar, no futuro, um novo modal de transporte no canteiro central da avenida das Torres. O uso dos cabos elimina a necessidade os pilares que normalmente são usados como sustentação dos viadutos tradicionais.

“A opção por esse tipo de viaduto (estaiado) garante a reserva de uma área importante da via para ser usada futuramente para a mobilidade da cidade. É uma obra feita com muito planejamento, pensando em resolver os problemas atuais sem perder de vista o futuro”, explica o presidente do Ippuc, Cléver Almeida.

A obra – Os cabos, 10 de um lado e 11 no sentido contrário, serão ancorados num pilar de 69 metros de altura. O tabuleiro do viaduto terá 25 metros de largura com quatro faixas de circulação, duas em cada sentido da via. Além das pistas, o viaduto terá ciclovia nas duas laterais para o trânsito seguro de ciclistas e pedestres.

O novo viaduto vai melhorar a ligação viária entre os bairros Boqueirão, Hauer, Xaxim, Uberaba e Jardim das Américas, Cajuru e BR 277, beneficiando cerca de 300 mil moradores dos seis bairros, além de turistas.

“Além do propósito de melhorar o trânsito e o transporte coletivo, pois ali passam muitas linhas de ônibus, o viaduto será um marco referencial para a cidade, pois ele está no corredor do Aeroporto Afonso Pena”, diz o arquiteto do Ippuc, Mauro Magnabosco, responsável pelo projeto.

Com o viaduto, serão eliminados os semáforos no cruzamento dessas duas avenidas e fluxo será contínuo tanto pela avenida das Torres como pela Francisco H. dos Santos. A passagem do aeroporto para Curitiba nesse trecho será livre. A obra está no cruzamento de uma região com intenso comércio e serviço.