Preço do petróleo sofre nova queda nesta segunda-feira

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 30 de outubro de 2006 as 12:03, por: cdb

O preço do barril de petróleo da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) caiu US$ 0,59, sendo negociado em média a US$ 55,53 na sexta-feira, informou a organização petrolífera, nesta segunda-feira, em Viena. O preço médio semanal do petróleo da Opep na semana passada foi de US$ 54,76, o que indica uma queda em relação aos sete dias anteriores, quando era cotado a US$ 55,28.

O valor médio mensal calculado até 27 de outubro chegou a US$ 55,06, uma notável baixa em comparação com os US$ 59,34 de setembro. Na próxima quarta-feira, entra em vigor o corte da produção da Opep de 1,2 milhão de barris diários(mbd), até 26,3 mbd, estipulado em 20 de outubro, em Doha. A empresa de consultoria de energia PVM assinala em uma análise de hoje que seis países-membros da organização (Arábia Saudita, Irã, Emirados Árabes Unidos, Nigéria, Líbia e Kuwait) deram passos para reduzir sua produção e cumprir com o corte.

Nos mercados internacionais, o preço de outros crus de referência foram impulsionados pelas ameaças terroristas detectadas na Arábia Saudita, o maior produtor de petróleo do mundo. Notícias sobre uma ameaça terrorista contra o terminal petrolífero saudita de Ras Tanura motivou o reforço da segurança em torno de toda a infra-estrutura petrolífera do reino. Também voltaram à cena as inquietações geopolíticas, com um agravamento das tensões sociais na indústria petrolífera da Nigéria, principal produtor de petróleo da África.

O preço do Petróleo Intermediário do Texas (WTI, leve) era cotado no mercado eletrônico, no início da manhã, a US$ 60,46 às 5h29 (em Brasília), abaixo do fechamento de sexta-feira, quando foi negociado a US$ 60,76. Com isso, houve uma inversão na tendência de alta que prevaleceu nas últimas sessões perante a iminente entrada em vigor da primeira redução na oferta da Opep desde 2004, que coincide com a chegada do frio ao hemisfério norte, a temporada de maior consumo mundial de petróleo.