Powell: ‘Estamos determinados a destruir aqueles que impedem a paz’

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 20 de junho de 2003 as 19:04, por: cdb

Em visita ao Oriente Médio, o secretário de Estado americano, Colin Powell, disse nesta sexta-feira que a retomada da violência nos últimos dias aumentou a determinação de Washington de “destruir” os que estiverem impedindo a paz.

– E o inimigo da paz tem sido o Hamas, principalmente nas últimas duas semanas. Enquanto tenham compromisso com o terrorismo, a violência e o objetivo de destruir o Estado de Israel, creio que esse seja um problema que deve ser tratado com rigor – acrescentou Powell.

Powell disse ter ficado otimista com a iniciativa de Israel de libertar prisioneiros palestinos e remover assentamentos judeus ilegais.

O secretário disse também que os primeiros-ministros israelense, Ariel Sharon, e palestino, Mahmud Abbas, devem trabalhar juntos para conter a violência e criar instituições conjuntas.

O secretário americano encontrou-se primeiro, em Jerusalém, com Sharon. Depois, em Jericó, reuniu-se com Abbas, a quem pediu que não só negocie um cessar-fogo com o Hamas e outros grupos radicais, como também atue para eliminar a capacidade desses grupos de lançar ataques contra Israel.

Ele lembrou também que o plano mapa da estrada, que prevê a criação de um Estado palestino independente até 2005, depende ainda do levantamento das restrições impostas pelo governo israelense, que só aprovou a retomada do diálogo com os palestinos por causa da forte pressão exercida por Washington.

Powell declarou também que Israel deve dar os passos necessários para “aliviar a penúria diária do povo palestino”.

O secretário advertiu também a Síria, qualificando de “totalmente inadequados” os esforços de Damasco para controlar os grupos radicais palestinos como o Hamas, que tem sede no território sírio.

Como medida efetiva para acelerar o mapa da estrada, Powell pediu tanto a Sharon quanto a Abbas que intensifiquem negociações para chegarem a um acordo que permita a devolução do controle do norte da Faixa de Gaza e de Belém para a Autoridade Palestina (AP).

– Temos de avançar urgentemente. Não queremos que o tempo passe sem que sejam tomadas ações. Não queremos que os terroristas vençam – disse Powell a jornalistas após o encontro com Abbas.

Depois de conversar com Powell, Sharon declarou que não perderá nenhuma oportunidade de avanço para que se alcance uma solução política para a crise envolvendo Israel e os palestinos. Mas reiterou que “não haverá paz com terrorismo”.

Os dirigentes palestinos, no entanto, dizem que, para persuadir grupos militantes a aceitar um cessar-fogo, Israel precisa parar de tentar assassinar seus líderes.

Abbas disse a Powell que os esforços da Autoridade Palestina para chegar a um cessar-fogo com os grupos radicais não avançarão enquanto Israel não detiver suas incursões militares e bloqueios nas áreas palestinas.

Abbas afirmou a Powell que dentro de pouco tempo haverá eleições e que, de acordo com a lei e o sistema democrático palestino, todas as facções poderão participar.

O porta-voz do Hamas, Abdel Aziz Rantissi, ferido num ataque israelense em Gaza na semana passada, reagiu às declarações de Powell.

– Colin Powell tem-se mostrado um verdadeiro escravo dos sionistas, mentiroso e hipócrita – disse.

Em Ramallah, na Cisjordânia, atiradores desconhecidos abriram fogo contra um carro, matando o motorista e ferindo três ocupantes, dois deles, gravemente. Todas as vítimas eram israelense-americanos.