Posição do presidente sudanês sobre divisão do país agrada a representantes do Sul

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 5 de janeiro de 2011 as 07:05, por: cdb

Maputo (Moçambique) – A menos de uma semana do início da consulta popular que pode dividir o maior país africano – o Sudão – em dois, representantes do Sul do país mostraram-se satisfeitos com a reafirmação do presidente Omar Al Bashir de que o resultado da votação será respeitado.

Na última visita ao Sul do país antes do início da votação, Bashir disse que ficará “triste” se o Sul quiser separar-se, mas, ao mesmo tempo, ficará feliz se isso trouxer “paz real” à região.

Falando à BBC, o ministro da Informação do Sudão do Sul, Barnaba Marial Benjamin, lembrou que será a primeira vez desde 1898 que a população do país vai definir seu próprio futuro. Segundo ele, o governo central concluiu que “a realização do referendo é parte do acordo que envolve não só as duas partes do Sudão, mas também a comunidade internacional”.

Dos cerca de 40 milhões de sudaneses, 4 milhões registraram-se para votar. O processo dura uma semana. Durante meses, a preocupação era manter a paz até a votação e também depois dela, caso o governo central não aceitasse a provável vitória dos separatistas do Sul. Para ser válida, a decisão precisa ser tomada por 60% dos eleitores inscritos.

A consulta popular está prevista no acordo de paz, assinado em 2005, que pôs fim a 23 anos de guerra civil no Sudão. De um lado estava o Norte, de população muçulmana, onde fica a capital Cartum; do outro, o Sul, majoritariamente cristão, liderado a partir da cidade de Juba. Além da religião, o petróleo fazia com que o Sul lutasse pela independência. A guerra fez mais de 1,5 milhão de mortos.

Mesmo seguindo os conselhos do Fundo Monetário Internacional (FMI) desde 1997 e sendo rico em petróleo, gás, ouro, prata, cobre e outros minérios, o Sudão ainda é um dos países mais pobres da África. Metade da população está abaixo da linha da pobreza, vivendo do que consegue plantar, ou de auxílio humanitário.

Edição: Talita Cavalcante

Leia também:

Sudão faz plebiscito sobre a separação da parte rica em petróleo Sudão faz referendo sobre divisão do país e partidos fecham acordo