Portugueses marcham contra a pedofilia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 27 de setembro de 2003 as 18:28, por: cdb

Milhares de pessoas vestidas de branco marcharam este sábado pelas ruas de Lisboa, Porto, Braga e Portimão em nome da luta pelos direitos das crianças e contra a pedofilia.

Em Lisboa, os largos milhares de pessoas que percorreram a Avenida da Liberdade e o Parque Eduardo VII na “Marcha Branca” acabaram por não aguentar o silêncio pedido pela organização.

“Justiça, justiça” e “Rui Teixeira, Rui Teixeira” foram palavras de ordem gritadas várias vezes ao longo do percurso entre o Rossio e o alto do Parque Eduardo VII, numa alusão ao juiz do processo Casa Pia.

A provedora da Casa Pia de Lisboa, Catalina Pestana, resumiu no final a atitude dos manifestantes: “Tínhamos combinado fazer uma marcha em silêncio e não aguentamos, porque o silêncio pesa, corrói, destrói, aniquila. Agora pensemos o que é ter 12 ou 14 anos e ter de guardar em silêncio o medo e a vergonha”.

Entre os milhares de pessoas que formaram a mancha branca estavam figuras da sociedade, como Manuela Eanes, Daniel Sampaio, Pedro Strecht e as deputadas Maria Elisa (PSD), Maria de Belém e Sónia Fertuzinhos (PS), Isabel de Castro (Verdes).

No Porto, uma multidão “pintou” de branco o verde do Parque da Cidade.

O presidente da Câmara do Porto, Rui Rio, o Governador Civil, Manuel Moreira, o vereador do pelouro do Ambiente da autarquia, Rui Sá, e o dirigente do CDS/PP, Diogo Feyo, entre outros, estiveram também nesta iniciativa da associação Inocência em Perigo e da Fundação Filos.

O presidente da Câmara congratulou-se pela adesão da população, admitindo, contudo, que tal poderá dever-se à pedofilia ser agora um assunto do domínio público.

Para Rui Rio, a pedofilia é uma questão que tem sido desvirtuada e as pessoas não podem esquecer-se das crianças que sofrem abusos sexuais.