Porto Alegre é eleita a Cidade dos Direitos Humanos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 26 de janeiro de 2005 as 11:25, por: cdb

A capital do Rio Grande do Sul foi reconhecida oficialmente como “Cidade dos Direitos Humanos”. O anúncio da distinção, concedida às cidades que se destacam na área, foi feito pelo diretor executivo da organização internacional People’s Movement for Human Rights Education (PDRHE), o indiano Minar Pimple, ao prefeito José Fogaça.

Segundo o dirigente, a escolha de Porto Alegre – primeira cidade do Brasil a receber o título e a segunda da América Latina – foi motivada pelo empenho na construção de políticas públicas de respeito aos direitos humanos.

– É uma referência ao que a cidade já fez e continuará fazendo. A capital gaúcha será exemplo para outros municípios brasileiros na garantia dos direitos humanos – afirmou Pimple.

O projeto da PDRHE foi adotado em conjunto com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) a partir da proclamação da “Década para a Educação em Direitos Humanos” da ONU. Ele tem como objetivo promover os direitos humanos como modo de vida, garantir a segurança, a justiça social e fortalecer a democracia.

A representante do PNDU no Brasil, Ciara O’Sullivan, anunciou que serão investidos US$ 5 milhões nas cidades contempladas com o título para ações de direitos humanos. Ela explicou que outras 11 cidades no mundo são reconhecidas com a distinção e que até 2007, serão 30.

O prefeito José Fogaça disse que o título “representa o reconhecimento ao passado e o compromisso de assegurar que esses valores continuem”. Ele destacou a tradição da Prefeitura Municipal em promover a democracia e sua história de respeito aos direitos humanos. Com o reconhecimento, Porto Alegre passa a fazer parte do grupo formado por Rosário (Argentina), Thies (Senegal), Kati (Mali), Nagpur (Índia), Mogale (África do Sul), Graz (Áustria), Edmonton (Canadá), Abra (Filipinas), Timbaktu (Mali), Mima Mamobi (Gana) e Wale Wale (Gana).

Espaço Indígena

No dia da abertura oficial do V Fórum Social Mundial, povos indígenas inauguraram suas atividades antes do nascer do sol. O ritual de proteção – Benção do Fogo Sagrado – feito por tribos brasileiras como os Guarani, Kaigang e Xoclen às 6h30 no solário do Parque Marinha do Brasil em Porto Alegre, precedeu a apresentação de indígenas chilenos e a bênção aos participantes.

Os povos indígenas participam do Fórum Social Mundial desde a primeira edição. Agora, pela primeira vez, contam com um espaço próprio e uma programação específica e organizada. Durante os cinco dias do encontro anual, mais de 400 indígenas do continente americano, representando 150 povos, estarão reunidos no espaço chamado “Puxirum de Artes e Saberes Indígenas”.

A palavra indígena “puxirum” tem significado próximo de “mutirão” em português. A proposta dos grupos é apresentar suas culturas e defender valores e prioridades de seus povos, aproximando-se ainda mais da definição de políticas públicas.