Por que os EUA denunciam a China pelas “terras raras”?

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 25 de março de 2012 as 06:44, por: cdb

Até aos anos 90, os Estados Unidos auto-abasteciam-se destes minerais, mas o pouco investimento neste sector de alto desenvolvimento e inovação deixou-os para trás. Por Marco António MorenoArtigo |25 Março, 2012 – 13:37Como é que os Estados Unidos deixaram escapar esta autêntica galinha dos ovos de ouro? Muito simples: apostaram no lucro e na ganância fáceis de Wall Street

A União Europeia, os Estados Unidos e o Japão acusaram ontem oficialmente a China, perante a Organização Mundial do Comércio, pela sua restrição às exportações de matérias primas, entre as que estão incluídas elementos de “terras raras” que são essenciais para o fabrico de produtos eletrónicos. Como mostra este gráfico, desde 1995 e após um período de transição que se inicia em 1985, a China passou a encabeçar a produção mundial dos minerais conhecidos como “terras raras”, os 17 metais aderidos à família dos Lantanídeose que figuram no bordo deste gráfico com o seu símbolo e número atómico.

Embora até 1985, a supremacia na exportação destes minerais fosse dos Estados Unidos, a China começou a tomar a dianteira e hoje é o país que produz 95% destes minerais que têm diversas aplicações nos produtos de alta tecnologia. Ao contrário do que é dito, inclusive em meios como o El País, estes minerais não são escassos e encontram-se em grande abundância na crosta terrestre, mas requerem elevado investimento. Até aos anos 90, os Estados Unidos auto-abasteciam-se destes minerais, mas o pouco investimento neste sector de alto desenvolvimento e inovação deixou-os para trás e hoje são importadores líquidos deste recurso crítico, o que dá conta do afastamento da linha de tecnologia avançada que os Estados Unidos sofreram.

A disputa contra a China, que foi avalizada pelo Japão e pelos países europeus, como vem sendo habitual, é encabeçada por Barack Obama, dado que este é um ano de eleições nos Estados Unidos. Os republicanos (o partido opositor ao atual presidente) criticam Obama por não ter sido o suficientemente duro com a China e com as suas práticas comerciais, pelo que, desta vez, está em jogo todo um arsenal de argumentos. O certo é que, quando a China afrouxa em demasia nas suas políticas comerciais, recebe críticas por não exercer um maior controlo e aumentar o valor dos seus produtos (reavaliação interna); e quando exerce este controlo, como com a exploração destes minerais, (que implica uma grande deterioração do meio ambiente) também é criticada.

Wall Street e o abandono da economia real

Para não nos enganarmos, há que recorrer à História e ver o que aconteceu nesse período de certa ambiguidade que demarca a década 1985-95. Estes são os anos do auge de Wall Street e do modelo monetário que se aplicou no mundo. Nesse momento, os Estados Unidos abandonam o investimento mineiro de “terras raras” (têm abundantes recursos no deserto de Mojave, na Califórnia), enquanto na China ocorre o inverso e dá-se um forte empurrão ao investimento nesta mineração.

Tão interessados estavam os investidores americanos pela “mineração” de Wall Street que deixaram de lado a mineração de “terras raras”. Pensava-se que com o consumo existente nesse momento, que permitia o auto abastecimento dos Estados Unidos, seria suficiente. A cegueira provocada por Wall Street e pelas milionárias utilidades do dinheiro fácil e sem esforço, abandonaram a economia real e esta é uma prova disso. Os Estados Unidos ficaram para trás. Agora a situação mudou e é a forte procura de ecrãs para telemóveis ou LCD, de discos rígidos ou baterias, que aumentou a apetência por este minerais que, há apenas duas décadas, não eram tão apreciados.

Tabela periódica das “terras raras”

Esta é a tabela periódica dos elementos desenvolvida por Mendeleiev e é interessante ver como estes 17 elementos formam um quadro à parte, dado que são um grupo químico altamente coerente na sua estabilidade. Talvez seja por isto que na China se fez o contrário do que nos Estados Unidos e, depois dessa década de vazio e incerteza, aumentou a investigação e exploração destes 17 elementos minerais.

Hoje em dia, esses elementos constituem a essência de muitos produtos que formam parte da nossa vida quotidiana: ecrãs de Ipad, telemóveis, monitores ou LCD, assim como baterias para equipamentos de computação e partes e peças para automóveis ou equipamentos de energia eólica e das marés. Ou seja, grande parte do mundo em que vivemos hoje e também do futuro próximo. Como é que os Estados Unidos deixaram escapar esta autêntica galinha dos ovos de ouro? Muito simples: apostaram no lucro e na ganância fáceis de Wall Street, essa mesma que hoje os tem apanhados no vazio.

14 de Março de 2012

Tradução de Cristina Barros para o Esquerda.net

http://www.elblogsalmon.com/entorno/por-que-estados-unidos-demanda-a-china-por-las-tierras-raras

Artigos relacionados: A próspera China revela-se aos vizinhos A China e a Globalização