População entende que os mais votados devem ser eleitos, diz Jucá em defesa do ‘distritão’ 

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 21 de março de 2011 as 09:15, por: cdb

Leia mais

Proposta de ‘distritão’ divide opiniões

Eduardo Braga acredita em união do PMDB em torno do ‘distritão’

PSDB ainda se divide entre distrital puro ou misto

‘Distritão’ favorece os mais ricos e as ‘vedetes’ do momento, diz Simon

Wellington Dias: voto em lista representa apoio a projeto para o país

Jorge Viana propõe limite para gastos em campanha política

Jorge ‘Querem voltar à época do Império’, diz Valadares ao criticar o ‘distritão’

O senador Romero Jucá (PMDB-RR) defende o “distritão” como sistema eleitoral a ser adotado no país, argumentando que a sociedade brasileira não consegue aceitar as regras atuais, que levam à eleição de um candidato com poucos votos, em detrimento de outros, mais votados. Ele rebate as críticas de que o “distritão” vai enfraquecer os partidos.

– O que vai mudar é a contabilização dos eleitos: ao invés de se eleger pessoas com menos votos do que outras, serão eleitos os que forem mais votados. Essa é uma leitura que a população entende: quem teve mais voto deve se eleger. E vai acabar aquela história de um candidato puxar dois ou três candidatos que não têm voto, como aconteceu com o caso do Tiririca, em São Paulo.

Para ele, os partidos serão fortalecidos com o fim das coligações e cada agremiação terá de disputar o pleito “com os nomes que tiver”, sem a necessidade de atingir o coeficiente eleitoral.

– Defendo o ‘distritão’ porque entendo que é o aprimoramento do processo eleitoral para eleição de parlamentares no legislativo – diz o senador. Jucá discorda do seu colega de partido Pedro Simon (RS), para quem o “distritão” encarecerá as campanhas, uma vez que o candidato terá de buscar votos em todo o estado se quiser ficar entre os mais votados e assegurar uma vaga no Parlamento.

– Acho que vai baratear a eleição. Existem determinados parlamentares que trabalham determinadas regiões e vão poder continuar trabalhando determinadas regiões – opinou.

Ele também disse defender o financiamento público exclusivo por considerar que assim as campanhas ficariam mais baratas. Segundo Jucá, a medida coíbe o abuso do poder econômico, uma vez que dá condições para que todos disputem as eleições em igualdade.

O senador considera os trabalhos da Comissão de Reforma Política um processo inicial de debate no Senado. Ele afirma que, como líder do governo, não participa da comissão e entende que o governo não deve se envolver com discussões sobre mudanças na legislação eleitoral.

– O governo está acompanhando, vendo com bons olhos essa questão [a reforma política], entendendo que é importante fazer o ajuste da legislação política e eleitoral – finalizou.Iara Guimarães Altafin / Agência Senado