Pólo da Petrobras deve gerar 50 mil novos empregos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 28 de março de 2006 as 23:03, por: cdb

A Petrobras deve criar 50 mil novos postos de trabalho na fase de operação das três gerações indústrias da cadeia petroquímica a ser construída no Grande Rio, como anunciou nesta terça-feira o presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli. A unidade petroquímica será a base para o desenvolvimento do parque industrial a ser criado na região, com central de utilidades e empresas de produção de insumos de como polietilenos, propileno, estireno – voltados para a fabricação de plásticos, geladeiras, computadores, veículos e até navios.

A Unidade Petroquímica em sua primeira fase terá capacidade para processar até 150 mil barris de petróleo pesado, proveniente da Bacia de Campos. Para isto, serão necessários investimentos, em uma primeira etapa, da ordem de US$ 3,5 bilhões. Estimativas da Petrobras indicam que, nesta primeira fase, durante as obras de construção do complexo, serão criados mais de 212 mil empregos diretos, indiretos e decorrentes do efeito-renda. Já na implantação das empresas de segunda geração, está prevista a criação de mais de 200 mil empregos diretos e indiretos.

O projeto prevê a construção, em São Gonçalo, do Centro de Inteligência do Complexo Petroquímico e de uma Central de Escoamento de Produtos Líquidos, para armazenamento intermediário – tendo como objetivo otimizar o escoamento entre Itaboraí e os terminais de carregamento da Baia de Guanabara.

Com entrada em operação prevista até início de 2012, a Unidade Petroquímica Básica deverá produzir anualmente, a partir de uma carga de 150 mil barris diários de petróleo, cerca de 1,3 milhão de toneladas de eteno, 900 mil toneladas de propeno, 360 mil toneladas de benzeno e 700 mil toneladas de -xileno – todos insumos para o setor petroquímico, além de derivados de petróleo, principalmente o coque.