Policial acusado de matar Jean Charles mata outro na Grã-Bretanha

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 2 de novembro de 2006 as 13:32, por: cdb

Um dos policiais envolvidos na morte do brasileiro Jean Charles de Menezes, em julho de 2005, atirou em um homem de 42 anos durante uma operação policial em New Romney, no condado de Kent, na Grã-Bretanha, na terça-feira. O homem morreu horas depois, no hospital. Jean foi morto a tiros por policiais um dia depois de uma tentativa fracassada de atentados contra o transporte público de Londres.

No dia 22 daquele mês, o brasileiro foi seguido por policiais à paisana que o confundiram com um terrorista. Jean Charles foi baleado dentro da estação de metrô de Stockwell.

A Scotland Yard não quis comentar a notícia de que um dos agentes que atirou no brasileiro também baleou um homem em Kent.

– Eles têm um trabalho extremamente difícil, mas vital, já que respondem a ameaças à população e a seus colegas que estão desarmados. Só atiram em casos extremamente raros -, disse uma nota da polícia.

– Como de hábito, a IPCC vai investigar o caso -, ressaltou o comunicado, acrescentando que “é extremamente lamentável quando alguém morre numa ação policial”.

A Comissão Independente de Queixas contra a Polícia (IPCC, na sigla em inglês) iniciou uma investigação sobre o caso. Três homens foram presos durante a operação, que invetigava uma suspeita de roubo de armas. Nenhum policial ficou ferido.

A Polícia Metropolitana enfrenta uma ação judicial por violações de leis de saúde e de segurança por não ter oferecido proteção adequada para Jean Charles no dia em que ele foi baleado.

O policial havia sido afastado de operações com o uso de armas depois do episódio com o brasileiro. No entanto, ele retornou à unidade especializada em uso de armas de fogo depois que a Promotoria Pública Britânica determinou que nenhum dos policiais envolvidos na morte de Menezes seria indiciado individualmente.

A família do brasileiro pediu uma revisão judicial da decisão e criticou a promotoria por não acusar os agentes que atiraram.