Policiais da Bahia matam ex-presidiário

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 31 de outubro de 2003 as 05:06, por: cdb

O assaltante de bancos e ex-presidiário Bruno Leonardo Amaral Medeiros, 32 anos, o ‘Carioca’, foi morto na última quinta-feira, de manhã, por policiais da Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos (DRFR), que prenderam Ismael Soares dos Santos, 23, Lindomar Alves de Oliveira, 29, e Jovenildo Ferreira Rocha, 26, mais conhecido como ‘Michaela’.

De acordo com a polícia, quando a guarnição tentou abordar três homens que ocupavam o Kadett de placa JNM-0350, houve uma troca de tiros na Rua Silveira Martins, bairro do Cabula, em Salvador. Dentro do carro foram encontrados uma pistola Imbel calibre 380, seis chaves michas e uma lanterna pequena, que a polícia afirma que eram usadas em furtos de automóveis.

Bruno estava em companhia de Isamel e Lindomar, detidos ali mesmo. Em prosseguimento à diligência, os investigadores descobriram que o grupo havia se reunido minutos antes em uma casa na invasão do Buracão, onde mora Jovenildo, que acabou detido.

Também estaria na residência o assaltante e traficante conhecido como ‘Bia’, que conseguiu escapar, segundo informou o comissário Pedro Rodrigues, chefe do Serviço de Investigações (SI) da DRFR, comandante da operação. Foi apreendida no local a motocicleta CG Titan de placa JPI-8491, que teria sido abandonada por ‘Bia’.

A ação da polícia ocorreu por volta de 10h30, quando a guarnição Búfalo IV, composta pelos policiais Ibirá Santos, Wilton Ferreira e Carlos Antônio passava pelas proximidades do Hospital Roberto Santos (HRS) e reconheceu ‘Carioca’ no interior do Kadett, dirigido por Lindomar. Ao receber ordem para parar, o motorista acelerou e tentou empreender fuga, tendo-se iniciado a perseguição.

Minutos depois, ‘Carioca’ desceu do carro e tentou fugir correndo por uma invasão, disparando contra os policiais que já haviam recebido reforço da guarnição Búfalo VII (DRFR) e de colegas da 11ª Delegacia (Tancredo Neves).

O assaltante acabou atingido e foi levado em uma das viaturas para o HCRS, onde já deu entrada morto. Seus comparsas foram conduzidos para a DRFR, onde foram autuados em flagrante por formação de quadrilha pelo delegado plantonista Antônio Fernando Soares do Carmo, mas negaram cometer crimes.
 
Ismael, que trabalha vistoriando veículos sinistrados para seguradoras negou conhecer ‘Carioca’, mas não soube explicar a origem das chaves michas. Disse que Lindomar era seu parceiro de trabalho, mas nada sabia de suas supostas atividades extras.

Quanto ao motorista, que já esteve preso em Feira de Santana, também não soube explicar qual a finalidade das chaves. Já ‘Michaela’ tentou convencer a polícia que não conhecia nenhum dos acusados, mas foi desmentido por um depósito em sua conta de poupança feito por ‘Carioca’, cujo comprovante foi encontrado no bolso do ex-presidiário.