Polícia procura assassinos do juiz com retrato falado em SP

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 18 de março de 2003 as 09:09, por: cdb

As polícias Civil, Militar e Federal continuam atrás dos dois homens que executaram o juiz corregedor de Presidente Prudente, Antônio José Machado Dias, de 47 anos, na noite da última sexta-feira. Segundo a delegada Ieda Maria Cavalli, da Delegacia de Investigações Gerais (DIG), que comanda os trabalhos, as principais pistas são os retratos falados de dois suspeitos e denúncias anônimas.

“Estamos investigando todas as denúncias e checando as fontes de informações. O trabalho corre em sigilo, mas posso dizer que não prendemos nenhum acusado ainda”, afirmou Ieda Cavalli.

Quatro promotores do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) estiveram nesta segunda-feira no Centro de Readaptação Penitenciária (CRP) de Presidente Bernardes para interrogar os líderes das facções criminosas presos no presídio de segurança máxima do Estado. Os promotores queriam pistas de quem foi o mandante do crime.

Roberto Porto, Levi Emanuel Magno, Rodrigo Canelas Dias e Marcio Cristino chegaram a Bernardes na manhã de segunda-feira e foram ao presídio acompanhados do promotor da Vara de Execuções Penais de Prudente, Marcio Coimbra. Eles se negaram a dar detalhes do que ouviram dos presos, alegando o sigilo das investigações.

As suspeitas de autoria do assassinato recaem sobre as diversas facções criminosas que se organizaram nos presídios de São Paulo e do Rio de Janeiro, como Primeiro Comando da Capital (PCC), Comando Democrático da Liberdade (CDL), Comando Vermelho (CV), Comando Vermelho da Capital (CVC), Comando Revolucionário Brasileiro do Crime (CRBC) e a Seita Satânica. Todas têm líderes presos na região de Prudente.

Inicialmente, foi levantada suspeita sobre o traficante carioca Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, que foi transferido para Bernardes em 26 de fevereiro. A polícia, porém, acredita que ele não tenha envolvimento com o assassinato, porque o crime teria sido planejado há mais tempo e em São Paulo. Um dos carros usado na emboscada ao juiz teria sido roubado no dia 5 de fevereiro, data em que ainda não se cogitava a mudança de Beira-Mar para São Paulo.

A advogada Patrícia Soares Queiroz visitou o traficante nesta segunda-feira. Na saída do CRP ela afirmou que Beira-Mar só soube do crime nesta segunda-feira. “Ele não tem comunicação, não sabe o que acontece no mundo externo”, disse.

Agora os principais indícios apontam para o PCC. Atualmente, comandam a facção Sandro Aparecido da Silva Santos, conhecido como “Gulu”, e Márcio Alves dos Santos, o Carioca.

Dois ex-líderes da facção são José Márcio Felício, o Geleião, e César Augusto Roris da Silva, o Cesinha, que foi transferido recentemente do CRP. Geleião deve ser o próximo a deixar o presídio, já que o período máximo de seis meses para permanência nesse tipo de regime vence em alguns dias.

Os dois foram destituídos do comando do PCC, expulsos e estão jurados de morte. Um dos principais seqüestradores do Estado e possivelmente financiador do PCC, Wanderson Nilson de Paula Lima, o Andinho, também está em Bernardes.

A Polícia Federal auxilia a resolução do crime, sob comando de Lucia Machado Castralli. “Apoiamos a Polícia Civil no que eles precisam. Não podemos revelar quais são nossas diligências, mas temos alguns suspeitos que investigamos”, afirmou a delegada.

O crime

O juiz corregedor foi morto na noite de sexta quando saía do Fórum de Presidente Prudente. Ele era o responsável pela liberação e transferência dos presos da região, entre eles líderes do PCC e o traficante Fernandinho Beira-Mar, que foi transferido no dia 26 de fevereiro do Rio para Presidente Bernardes.

Dias foi morto em uma emboscada a 300 metros do Fórum. Seu Vectra foi fechado por dois carros, um Fiat Uno branco e um Pálio de cor escura. Os homens teriam disparado contra o carro e acertado três tiros no juiz: um na testa, um no punho e outro na clavícula. O magistrado morreu no local e os criminosos fugiram no Pálio. O Uno, q