Polícia prende suspeitos de crimes na Internet na Europa

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016 as 12:06, por: cdb

 

As investigações apontam que os suspeitos utilizam redes criptografadas peer-to-peer (redes de computadores em que cada um age como servidor

 

Por Redação, com ABr – de Berlim/Brasília:

 

Policiais de sete países europeus realizaram uma operação conjunta contra criminosos que negociam, pela Internet, armas, drogas ilegais e dinheiro falso. Nove suspeitos foram detidos, segundo informações das autoridades alemãs.

De acordo com a Polícia Federal alemã e a procuradoria de Frankfurt, a operação ocorreu em 69 casas e empresas na Alemanha, Bósnia-Herzegovina, Suíça, França, Holanda, Lituânia e Rússia.

Policiais de sete países europeus realizaram uma operação conjunta contra criminosos que negociam, pela Internet
Policiais de sete países europeus realizaram uma operação conjunta contra criminosos que negociam, pela Internet

As investigações apontam que os suspeitos utilizam redes criptografadas peer-to-peer (redes de computadores em que cada um age como servidor, o que permite a troca de arquivos sem a necessidade de um servidor central), para vender heroína, cocaína, maconha, anfetaminas, ecstasy, bem como documentos falsos de identidade alemães, holandeses e italianos.

Os criminosos também vendiam cartões de crédito roubados, dados bancários e ofereciam serviços como software maliciosos para infectar computadores, disse a polícia. Foram apreendidos computadores, drogas ilegais e 150 mil euros em dinheiro.

Entre os suspeitos estão um bósnio de 27 anos, que seria o principal operador de três plataformas e que está em prisão preventiva, assim como três alemães de 21, 22 e 29 anos: o primeiro acusado de administrar uma plataforma ilegal de streaming de eventos esportivos pagos e filmes, o segundo de traficar drogas pela Internet e o terceiro de administrar páginas ilegais.

Dois sírios de 19 e 28 anos também estão entre os suspeitos. Na casa de um deles, os policiais encontraram 36 quilos de anfetaminas, 1,5 quilogramas de cocaína e 2,3 quilos de ecstasy.

A procuradoria de Frankfurt elogiou “o grande golpe contra a economia subterrânea, que mostra que não há anonimato total na Internet”.

Brasil

O Ministério da Justiça lançou nesta segunda-feira um edital de concurso para a criação de aplicativos que contribuam para o enfrentamento da corrupção. A ideia é que sejam desenvolvidos softwarespara dispositivos móveis (notebooks e smartphones) que amplime a transparência da gestão pública e a participação popular no acompanhamento e fiscalização da execução de políticas públicas.

O concurso é voltado para desenvolvedores, programadores, projetistas, designers e pesquisadores que queiram contribuir com conhecimentos no combate à corrupção. As inscrições vao até o dia 14 de abril e podem ser feitas pela Internet.

Cada equipe de desenvolvedores pode ter até 5 pessoas, sendo no mínimo uma integrante do gênero feminino.

De acordo com o Ministério da Justiça (MJ), as três melhores propostas receberão premiação de R$ 10 mil reais e terão a oportunidade de aprimorar seu projeto na sede do ministério em Brasília, onde contarão com a presença de gestores públicos ligados à fiscalização e ao controle de convênios e transferências. O primeiro colocado receberá, ainda, prêmio adicional de R$ 30 mil reais para desenvolver o aplicativo.

A iniciativa tem parceria com a Controladoria-Geral da União e o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, além dos demais órgãos componentes da Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (ENCCLA).