Polícia Federal quer prazo maior para investigar acidente aéreo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 13 de novembro de 2006 as 11:28, por: cdb

Renato Sayão, o delegado da Polícia Federal que investiga as causas da queda do Boeing da Gol que fazia o vôo 1907, pediu nesta segunda-feira à Justiça Federal em Sinop (MT), acesso aos documentos sobre o acidente e prorrogação do prazo das investigações por até 90 dias.

O delegado quer que a Aeronáutica envie a documentação sobre o caso, incluindo os dados das caixas-pretas dos aviões e gravações de conversas entre os pilotos no momento do acidente. 

O avião da Gol caiu em uma área de mata fechada em Mato Grosso, no dia 29 de setembro, depois de colidir com um jato Legacy, da empresa norte-americana de táxi aéreo ExcelAire.

O jato conseguiu pousar e nenhum dos ocupantes ficou ferido. Os 154 ocupantes do Boeing morreram.

Segundo informações da Agência Brasil, a Aeronáutica tem prioridade na análise dos dados e somente depois de concluir as investigações, poderá liberar os documentos para a PF.

Já o delegado Sayão afirma que sem as informações não tem condições de chegar a uma conclusão sobre as causas do acidente.

Sayão pretende ouvir nos próximos dias 20 ou 21 os controladores de tráfego aéreo que estavam trabalhando no dia do acidente. Os controladores seriam ouvidos no final de outubro, porém apresentaram atestados médicos que determinavam dispensas por motivos de saúde e adiaram os depoimentos.