Polícia de Israel prende ativistas contrários à saída de Gaza

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 14 de fevereiro de 2005 as 21:39, por: cdb

A polícia israelense prendeu na segunda-feira 50 manifestantes envolvidos em violentos protestos contra o plano do primeiro-ministro Ariel Sharon de retirar os assentamentos judeus da Faixa de Gaza até o final deste ano, disse um porta-voz da polícia.

Dez policiais foram feridos no confronto com ativistas de extrema direita, muitos deles integrantes do movimento antiárabe Kach que está na clandestinidade. Os manifestantes bloquearam o trânsito de entrada em Jerusalém e incendiaram pneus.

Um grupo de meninas adolescentes, com os braços cruzados, sentaram no meio da principal via que leva a Jerusalém bloqueando o trânsito até a polícia pôr fim aos protestos. Em outra manifestação, em Tel Aviv, os ativistas jogaram pedras contra os policiais.

Os assentados e seus simpatizantes vêm intensificando seus protestos nos últimos dias devido à proximidade da votação no Parlamento, que deve aprovar a alocação de recursos para a compensação financeira pelas saída dos assentamentos. A votação está agendada para esta semana.

As ameaças de morte contra Sharon e contra vários de seus ministros, que são favoráveis a retirada, levaram as forças de segurança israelenses a aumentar as medidas de segurança para as autoridades.

No sul da Faixa de Gaza, no assentamento de Gush Katif, cerca de 15 mil assentados participaram de um protesto para reivindicar um referendo sobre o plano de retirada de Gaza antes de sua implementação.

Sharon pretende retirar todos os 21 assentamentos judeus de Gaza e mais quatro na Cisjordânia até o final deste ano.

O premiê rejeitou a proposta de realização de um referendo alegando que essa seria uma tática de seus adversários para adiar a retirada na expectativa de que Sharon se visse obrigado a deixar o gabinete.