PMs são presos por tentativa de assassinato no ABC paulista

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 28 de maio de 2003 as 04:18, por: cdb

Cinco policiais militares foram presos nesta terça-feira sob a acusação de tentarem matar um colega e mais um homem em bar no ABC paulista. De acordo com denúncias, os PMs beberam no quartel, espancaram um homem para que ele assumisse o crime e simularam uma falsa blitz.

O capitão Rinaldo Maziero, o sargento Carlos Alberto Pereira dos Santos, o cabo Armando Vasco Campos, o soldado Nilton da Silva Lima e o soldado Adenílson Alves dos Santos, da 1a Companhia do 6o Batalhão de Polícia Militar, de São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo, foram presos e estão sendo acusados de tentativa de duplo homicídio de um outro policial militar e de um outro rapaz.

O crime aconteceu no último dia 16 de maio, data de inauguração de uma companhia da Polícia Militar na cidade. Os policiais estiveram ao lado do secretário de segurança Saulo de Castro Abreu Filho e do governador Geraldo Alckimin na cerimônia.

Encerrada a festa de inauguração e com a saída de Alckimin e Saulo de Castro, a polícia descobriu que o capitão Rinaldo Maziero e os subordinados ingeriram bebidas alcoólicias dentro da companhia ainda fardados.

Com sinais de estarem embriagados, os policiais mais tarde, já de folga, se encontraram num bar do quilômetro 35 da Estrada Caminho do Mar, em São Bernardo do Campo. No encontro, havia policiais femininas.

Durante a festa, houve um desentendimento entre os policiais e, de acordo com testemunhas, o capitão e os subordinados atiraram contra o soldado Heraldo Santosa Azevedo, de 30 anos, e o amigo dele, Marcelo Silvestre Almeida, de 25 anos.

O soldado baleado pelos colegas ainda está hospitalizado em estado grave. Ainda de acordo com testemunhas, os policiais algemaram um homem e o espancaram para que ele assumisse a autoria da tentativa de duplo homicídio. Mas o homem negou.

Uma testemunha informou que, logo em seguida, a Polícia Militar simulou um blitz em bares da região para procurar os supostos autores do crime.