PMDB reunirá conselho político para formalizar apoio a Lula

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 22 de novembro de 2006 as 18:51, por: cdb

A possibilidade de apoio oficial do PMDB ao governo federal será submetida ao conselho político do partido, que deverá se reunir no prazo de duas semanas para discutir se integrará a coalizão política no segundo mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Antes disso, os integrantes da Executiva Nacional da legenda devem se pronunciar sobre o possível apoio do PMDB ao governo. A decisão foi anunciada nesta quarta-feira pelo presidente nacional do partido, deputado Michel Temer (SP), que esteve reunido durante cerca de uma hora e meia com o presidente Lula, no Palácio do Planalto.

O deputado afirmou que recebeu de Lula uma proposta de agenda mínima de coalizão em troca do apoio do PMDB ao governo, composta de sete itens. As propostas, segundo Temer, vão desde as reformas política e tributária até a criação de um conselho político composto pelos partidos de coalizão, para acompanhar as ações de governo, passando por uma política econômica, fiscal e monetária comprometida com o crescimento mínimo de 5%, nos próximos quatro anos.

Em entrevista coletiva ao final do encontro, Temer disse acreditar que, com base em consultas a integrantes da legenda, que a “amplíssima maioria” dos peemedebistas apóia o governo Lula, assim como os todos os governadores do partido. No entendimento de Temer, esse apoio significa ser “co-responsável por políticas públicas para o país”.

De acordo com Temer, essa agenda de coalizão “facilita muito a presença do PMDB”. Ele destacou a importância do gesto, sob o ponto de vista institucional.

– O governo tomou a providência de fazer esse trato institucional com os partidos políticos, tomou a providência de apresentar uma pauta, acho que isso é ímpar, é inédito, eu, pelo menos, não me recordo de uma conjugação de forças políticas, no passado, que se ancorasse numa proposta de projetos para o país -, disse.

No entendimento do deputado, a atuação do governo no segundo mandato poderá ser melhor se o presidente Lula contar com o apoio de vários partidos políticos.

– Nós achamos que poderá fazer um governo melhor na medida em que há digamos instituições que estão agrupadas, reunidas, pensando no país -, explicou.

A decisão final sobre o apoio do PMDB ao Executivo caberá ao conselho político do partido, formado por cerca de 150 membros, entre governadores, presidentes de diretórios estaduais, a executiva, ex-presidentes do partido, da República e da Câmara e do Senado.

– É um foro muito qualificado de todo o partido para discutir essa matéria -, avaliou o parlamentar.