PMDB enterra de vez a candidatura própria

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 12 de junho de 2006 as 15:22, por: cdb

A Executiva Nacional do PDMB decidiu, em reunião realizada nesta segunda-feira, enterrar as possibilidades da legenda concorrer à Presidência da República com o seu próprio candidato, em outubro deste ano. A legenda optou por não lançar candidato à sucessão de Lula e por não realizar convenção nacional marcada para este mês. Apesar disso, o presidente da legenda, deputado federal Michel Temer (SP), não descarta possibilidade de que grupos insatisfeitos com o resultado da reunião busquem a realização da convenção por vias judiciais.

A decisão libera os candidatos a governador para as coligações estaduais da forma que lher for mais conveniente. O pré-candidato à Presidência, senador Pedro Simon (RS), já indicou que vai desistir de disputar a indicação da legenda. A guerra judicial entre grupos do partido, no entanto, chegou ao fim. O deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) disse que diante da decisão de Simon, o ex-governador do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho, pode reassumir a sua candidatura original, de que tinha desistido para apoiar o senador gaúcho.

Já os aliados de Garotinho prometem ainda uma verdadeira guerra judicial para derrubar a decisão da Executiva. “A convenção vai acontecer, querendo eles ou não. Se não houver condições políticas, como a falta de quorum, por exemplo, é outra história”, disse ele. O presidente nacional do PMDB, deputado federal Michel Temer (SP), disse que vai recorrer da decisão da Justiça, que marcou a convenção do partido para o dia 22 de junho.

– A Executiva definiu que não terá candidato nem convenção, mas ainda há uma decisão judicial. Esta é uma questão interna do partido e não cabe à Justiça decidir – disse ele a jornalistas.

A votação desta segunda-feira foi por unanimidade porque o senador Sérgio Cabral (RJ) e o deputado federal Eliseu Padilha (RS), que defendem a tese da candidatura própria, não compareceram à reunião. Cunha disse que os dois faltaram porque já sabiam que seriam votos vencidos na Executiva.