PM usa gás com pimenta para conter manifestantes anti-Bush

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 8 de março de 2007 as 17:44, por: cdb

A Polícia Militar reagiu, nesta quinta-feira, com gás de pimenta, lacrimogênio e cassetetes contra os manifestantes que protestam contra a visita do presidente George W. Bush ao Brasil, na Avenida Paulista, na Zona Sul de São Paulo. Segundo a PM, os manifestantes tentaram tomar as duas pistas da Avenida Paulista.

A manifestação começou às 16h e seguia por apenas uma das pistas da avenida, no sentido Consolação. Às 16h50, os manifestantes chegaram à Alameda Joaquim Eugênio de Lima e aproveitaram o sinal fechado para tentar bloquear a pista no sentido Paraíso. A polícia usou gás de pimenta para liberar o trânsito e os manifestantes reagiram jogando paus e cabos de bandeiras.

Um grupo de jovens que participa da manifestação pichou um ônibus a frase Bush out. Apesar da reação para impedir o bloqueio, até às 17h09 não houve confrontos entre PM e manifestantes. Os manifestantes discutiram e xingaram os policiais.

O comandante da operação, Capitão Benjamim Francisco Neto, afirmou que houve reforço de policiamento na frente aos restaurantes da rede de fast-food McDonald’s, do antigo prédio do Bank Boston e do Citibank. A Tropa de Choque também está em alerta nas imediações da Avenida Paulista para atuar caso ocorra depredações.

A palavra de ordem mais comum, estampada em bandeiras e faixas, é “Fora Bush e sua política do Brasil e da América Latina”. A União Nacional do Estudantes (Une) pretende queimar um boneco que representa o presidente americano quando a caminhada alcançar o vão livre do Masp.

O comandante do Policiamento de Choque Metropolitano, Joviano Conceição Lima, afirmou no começo da tarde desta quinta-feira que a Polícia Militar não vai tolerar o fechamento da Avenida Paulista.

 O policiamento na Avenida Paulista está sendo realizado por duas companhias e um esquadrão dos batalhões de Choque e da Cavalaria. O protesto é organizado por grupos feministas e 32 entidades nacionais que integram a Coordenação dos Movimentos Sociais (CMS), entre elas, a União Nacional dos Estudantes (UNE), o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e a Central Única dos Trabalhadores (CUT).