PM expulsa agricultores de terras no Pará

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 16 de janeiro de 2005 as 20:24, por: cdb

A Comissão Pastoral da Terra (CPT) de Altamira, no sudoeste do Pará, denunciou neste domingo que dez famílias de agricultores e ribeirinhos que vivem há mais de 20 anos ao longo do Rio Xingu, no trecho entre a boca do igarapé Estragado e a boca do Igarapé Piracuí, na Terra do Meio, foram expulsas por policiais militares e homens fortemente armados que rodam a região em embarcações. A ação dos policiais teria sido realizada sem a apresentação de qualquer mandado judicial.

Desde agosto do ano passado e por três vezes consecutivas, homens que estariam a serviço da empresa Incenxil, pertencente ao grupo CR Almeida, segundo as famílias expulsas, vem derrubando e queimando as casas onde elas moram. Os mais prejudicados sãos moradores do Morro do Severá, Estragado, Ressaca e Caxinguba. Nas áreas conhecidas por Rio Pardo e Rio Novo, os militares montaram uma espécie de cinturão contra os ribeirinhos. Ninguém passa pelo local sem antes ser revistado, inclusive as embarcações.

A CR Almeida alega ser dona das terras e de tê-las comprado durante um leilão promovido pelo Banco do Estado do Pará (Banpará). A CPT argumenta que a área está sub júdice e acusa a empresa de promover a grilagem na região.