PM é morto após assalto em Madureira

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 17 de junho de 2003 as 01:49, por: cdb

O soldado Márcio Peri da Silva Romano, 24 anos, do Grupamento Especial Tático-Móvel da Tijuca, foi assassinado neste domingo à noite com um tiro na cabeça, na Rua Maria José, em Madureira.

Dia 25 de janeiro, ele conseguiu escapar do ataque de um criminoso, na Leopoldina. Depois de parar um carro suspeito, o policial foi baleado pelo motorista na nuca, a bala saiu pela boca, mas Márcio sobreviveu.

De acordo com a família, o soldado, enterrado nesta segunda à tarde no Cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap, foi executado durante um assalto, depois que os bandidos descobriram sua profissão. Os criminosos fugiram depois de dar o tiro, levando a motocicleta do policial e seus documentos.

Muito abalado, o pai do rapaz, Mário Lúcio Romano, 53 anos, reclamou da falta de segurança para os policiais.

– O que vem sendo feito para garantir a vida e dar melhores condições de trabalho aos policiais?. Por que os bandidos andam em bondes, e os policiais estão sempre em dupla? São alvos fáceis – desabafou Mário.

Segundo a mãe do PM, a pedagoga Sônia da Silva Romano, 44 anos, Márcio, que era casado e tinha um filho de 1 ano, era um rapaz tranqüilo e alegre.

– Ele era um ótimo filho e excelente pai. Até agora não acredito que meu filho saiu de casa para passear e foi vítima dessa barbaridade – reclamou.

A viúva do soldado, Telma Liro Romano, 25 anos, lembrou que várias vezes pediu a ele que tomasse cuidado e não reagisse a assaltos. “Sempre tive muito medo que isso pudesse acontecer um dia”, desabafou.

O irmão de Márcio, Leonardo da Silva Romano, 21 anos, sonha em ser policial. Ele disse que não vai abandonar o projeto. O caso está sendo investigado por policiais da 29ª DP (Madureira).