PM é condenado a 59 anos de prisão pela chacina de Vigário Geral

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 11 de outubro de 2003 as 08:47, por: cdb

Três anos depois de ser condenado a 72 anos de prisão por participação na chacina de Vigário Geral, ocorrida há dez anos, o policial militar Alexandre Bicego Farinha foi a júri popular pela segunda vez, nesta sexta-feira. Desta vez, ele foi condenado a 59 anos e seis meses de detenção. Dos 52 denunciados no processo, somente Farinha, José Fernandes Neto e Sirlei Alves Teixeira estão presos.

O novo julgamento, benefício que está previsto no Código Penal, foi concedido porque ele teve pena superior a 20 anos. Farinha foi denunciado pelo homicídio de 21 pessoas e tentativa de homicídio de outras quatro. Todos as vítimas eram moradoras de Vigário Geral e foram executadas por cerca de 40 policiais militares que invadiram a favela na noite de 29 de agosto de 1993. No mesmo ano, 33 PMs foram denunciados. Destes, 18 foram absolvidos, sete condenados, dois estão foragidos, cinco morreram e um teve a denúncia contra ele considerada improcedente.

Dois anos depois, o Ministério Público denunciou mais 19 PMs, citados em conversas gravadas entre os primeiros acusados na prisão. Nove policiais foram impronunciados (denúncia considerada improcedente) e um morreu. Os outros nove foram julgados este ano e absolvidos, já que a própria promotoria do caso concluiu que as fitas eram uma fraude.