Plenário homenageia Mercosul pelos 20 anos de sua existência 

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 24 de março de 2011 as 16:36, por: cdb

Leia mais

Maldaner vê futuro promissor para o Mercosul

João Pedro espera que Mercosul melhore qualidade de vida da população

Marisa Serrano destaca importância do Mercosul no fortalecimento da democracia

Marta Suplicy diz que o desafio é transformar o Mercosul em união aduaneira

Collor diz que o Brasil deve adotar políticas que contribuam para o desenvolvimento dos parceiros do Mercosul 

Mozarildo vincula crescimento econômico ao fortalecimento da democracia

 Randolfe cobra celeridade na indicação da representação provisória brasileira no Mercosul 

 Suplicy diz que principal meta do Mercosul deve ser a livre circulação de pessoas 

 Para Luiz Henrique, questões tarifárias devem ser o foco do Mercosul 

 Ana Amélia lamenta competição prejudicial no Mercosul

 Embaixador Samuel Pinheiro Guimarães diz que reduzir a pobreza deve ser prioridade do Mercosul

 Marcelo Crivella diz que solidariedade deve mover relações dos integrantes do Mercosul 

 Inácio Arruda celebra Mercosul e diz que união protege os países da região 

 Eunício Oliveira quer mais integração dos estados do Norte e do Nordeste com o Mercosul 

  Simon saúda integração proporcionada pelo Mercosul  

 Embaixador lembra transformação da região nos últimos 20 anos 

 Gleisi Hoffman defende reajuste dos valores pagos ao Paraguai por energia de Itaipu

Parlamentares de todos os partidos se revezaram à tribuna para celebrar, nesta quinta-feira (24), os 20 anos de existência do Mercado Comum do Sul (Mercosul), bloco que hoje congrega Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai e que estende sua influência a outros países da região. A homenagem do Plenário, na hora do expediente, foi pedida em requerimento do senador João Pedro (PT-AM).  

Na presidência da sessão de homenagem, a 1ª vice-presidente do Senado, senadora Marta Suplicy (PT-SP), disse que, apesar das naturais dificuldades, o processo de integração veio para ficar. A senadora falou sobre o futuro do bloco e da possibilidade de adoção de uma moeda comum entre os países do bloco. 

– Os vinte anos do Tratado de Assunção devem nos servir de inspiração para guiar nossos esforços; devem servir para juntos buscarmos a energia necessária para um vigoroso relançamento do Mercosul, que viabilize a nossa união aduaneira e que aprofunde a discussão para além dela, talvez mesmo com o futuro estabelecimento de uma moeda comum entre os integrantes do bloco -afirmou Marta Suplicy. 

Os senadores lembraram do papel do atual presidente do Senado, José Sarney, que, como presidente do Brasil, assinou, em 1985, a Declaração de Iguaçu. Para muitos, a assinatura do acordo de integração bilateral com o então presidente argentino, Raúl Alfonsín, foi o início do processo que culminou com a criação do Mercosul. O bloco foi criado com a assinatura, em 26 de março de 1991, do Tratado de Assunção, que estabeleceu as bases para a criação de um mercado comum composto por Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai. Atualmente, o bloco inclui, ainda, Bolívia, Chile, Peru, Colômbia e Equador como estados associados.E a Venezuela espera a concordândia do Paraguai para ingressar no bloco. 

Em entrevista recente à agência Efe, Sarney declarou que, se as desconfianças que marcavam a relação entre Brasil e Argentina não tivessem acabado, o Mercosul nunca teria existido. “O Mercosul realmente começa com a Declaração de Iguaçu, que foi o passo determinante de todo o processo”, lembrou.  

O senador Fernando Collor (PTB-AL), que assinou o Tratado de Assunção como Presidente da República em 1991, afirmou que este aniversário deve ser motivo de reflexão, dadas asprofundas transformações que vêm ocorrendo no mundo.

– Pode-se vislumbrar o início de uma nova configuração hierárquica do sistema internacional, o que torna ainda mais importante a consolidação do Mercosul, pois o espaço de manobra para nações individualmente está a cada dia se restringindo ­- alertou.  

Parlasul

Para a senadora Marisa Serrano (PSDB-MS), o envolvimento políticodo Poder Legislativo nos estados-membros foi tardio e o Congresso Nacional ainda tem dificuldades de entender todo o “processo de caminhada” do Mercosul. A senadora defendeu o aumento da visibilidade do bloco no mundo e o fortalecimento institucional do bloco, por meio do reforço do Parlamento do Mercosul (Parlasul).  

O projeto de resolução que trata das definições para a nova estrutura da representação brasileira no Parlasul será incluído na pauta da próxima sessão do Congresso, ainda sem data marcada.

O Subsecretário-Geral da América do Sul, Central e Caribe, Embaixador Antônio Simões, que representou o Ministério das Relações Exteriores na sessão, disse que a aprovação, em outubro do ano passado, do critério de representação cidadã, representou “um avanço decisivo, consolidando a legitimidade do processo de integração”. 

O papel do Parlasul na consolidação do bloco em bases democráticas também foi lembrado pelo senador João Pedro (PT-AM), que presidiu parte da sessão.  

– O Parlasul é, na minha opinião, a garantia de que o bloco comercial que almejamos vai gerar benefícios e não engrossar os conflitos e injustiças sociais. Para isso, precisamos estar preparados para lidar com a diversidade social, com interesses econômicos e comerciais diversos e com os problemas do mundo do trabalho – disse o senador.

Desenvolvimento social

João Pedro acrescentou que, entre as maiores conquistas ao logo dos últimos 20 anos, está o entendimento de que o Mercosul é importante e necessário para o fortalecimento socioeconômico de todo o continente sul-americano. O senador defendeu um desenho institucional para o mercado comum que não se estruture “nos moldes do neoliberalismo”.

– O verdadeiro mercado comum, a meu ver, concretiza-se além da pura e simples relação de mercado. O Mercosul não pode se fechar nas atividades de compra e venda de mercadorias e serviços. Os US$ 380 bilhões que os países do Cone Sul movimentaram no ano passado, pouco ou quase nada representarão se esses recursos não contribuírem com a melhoria da qualidade de vida de cada um dos nossos países membros – continuou. 

O embaixador Samuel Pinheiro Guimarães, alto representante-geral do Mercosul, destacou o desafio de combater a pobreza construir uma infraestrutura que permita ampliar o comércio entre os países. Para ele, também é fundamental a tarefa de eliminar as assimetrias entre os Estados do bloco, sob pena de não haver “o apoio político e social necessário para fazer avançar esse projeto de integração”.

Também como desafio, Guimarães citou o aprofundamento da democracia em cada um dos países do bloco.

Venezuela

O senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) lembrou os embates travados no Congresso Nacional para a aprovação da entrada da Venezuela no Mercosul e defendeu o ingresso do país no bloco econômico por entender que será uma importante contribuição para o processo de integração regional. Para que a Venezuela se torne membro do Mercado Comum do Sul falta apenas a aprovação do parlamento paraguaio.

Da Redação / Agência Senado