Plano palestino perde apoio de Hamas e Jihad Islâmica

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 11 de junho de 2006 as 14:12, por: cdb

Após discordarem da convocação de um plebiscito para o dia 26 de julho, os dois signatários do chamado “plano dos presos” para um futuro Estado palestino que pertencem aos movimentos islâmicos Hamas e Jihad Islâmica retiraram seus nomes do documento.

Sami Abu Zuhri, porta-voz do Hamas, divulgou um comunicado neste domingo em Gaza   dizendo que os dois presos, Abdel Kaleq Al-Matscha, do Hamas, e Bassam al-Sadi, da Jihad Islâmica, declaram sua retirada.

Ambos  explicam que sua decisão se deve a  discordância da convocação do plebiscito, e ao fato de  acharem que o convocador do pleito, o presidente da ANP, Mahmoud Abbas, quer explorar a consulta em prol de seus interesses políticos. os dois estão presos em prisões israelenses.

A decisão se deve às “tentativas de certas pessoas de utilizar o documento de forma inaceitável, aproveitando a ausência dos reclusos que estão em prisões israelenses”, declarou o porta-voz.

Abbas convocou um plebiscito sobre o plano dos presos, que prevê o estabelecimento de um Estado palestino dentro das fronteiras de 1967, o que significa o reconhecimento implícito da existência do Estado de Israel.

O presidente da Autoridade Nacional Palestina decidiu-se pela convocação após as facções palestinas não chegaram a um acordo sobre o documento, que  estabelece outras condições como o retorno dos refugiados e a libertação dos presos.

O Hamas se opôs desde o início à convocação do plebiscito, apesar de ter alguns militantes seus entre os presos que elaboraram o plano.

Após a  retirada do apoio dos militantes do Hamas, que não reconhece a existência de Israel, e da Jihad Islâmica, o plano dos presos se transformou em um documento somente do Fatah, o partido nacionalista de Mahmoud Abbas, rival do Hamas, ainda segundo o porta-voz.