Piloto norte-americano nega responsabilidade por colisão com avião da Gol

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 30 de março de 2011 as 19:06, por: cdb

Luana Lourenço
Repórter da Agência Brasil

Brasília – Em quase sete horas de depoimento, o piloto norte-americanoJan Paladino negou hoje (30) que tenha responsabilidade pela falha no equipamento anticolisão do jatinho Legacy que colidiu com um avião da Gol e provocou a morte de 154 pessoas em 2006. O piloto, que está em Nova York, foi ouvido pelo juiz federal Murilo Mendes por meio de videoconferência.

Paladino e Joseph Lepore, que também pilotava o jatinho, são acusados de ter levantado voo com o sistema anticolisão desligado e de não terem acionado o transponder, equipamento que informa a posição da aeronave para o controle de trafego aéreo e outros aviões.

No depoimento, Paladino reconheceu que nunca havia pilotado um avião Legacy até o dia do acidente, mas negou que tenha ligado o equipamento anticolisão apenas após o choque. O piloto reiterou que, em nenhum momento, os equipamentos do avião acusaram qualquer tipo de falha, em especial no transponder.

O piloto também afirmou que recebeu dos controladores brasileiros a orientação para prosseguir viagem a 37 mil pés, mesma altitude em que estava a aeronave da Gol, que vinha em sentido contrário.

“Não tive qualquer envolvimento pessoal com as causas do acidente. Sei que há várias barreiras para evitar que esse tipo de acidente aconteça, mas naquele dia todas falharam. Nenhum piloto poderia ter previsto a série de problemas que aconteceu naquele dia”, disse Paladino.

Para a procuradora Analícia Ortega Hartz, o depoimento de Paladino foi marcado por contradições e tentativas de transferir toda a responsabilidade do acidente para o sistema de controle de tráfego aéreo brasileiro. “As acusações persistem: que o TCAS (sistema anticolisão) foi desligado e que os pilotos não atentaram que ele estava desligado, que houve uma falha na comunicação e que os pilotos estavam cientes que essa falha implicava acionar um código que ligaria o transponder e de que eles foram negligentes”.

O advogado de defesa dos norte-americanos, José Carlos Dias, disse que os pilotos também são vítimas do acidente e que não podem ser culpados pela tragédia. “Eles são sobreviventes, jamais imaginariam que ocorreria essa tragédia. Não tenho a menor dúvida que foi a falha no sistema de controle aéreo brasileiro a grande causa dessa tragédia. Isso ficou bastante evidente hoje.”

Amanhã (31), o juiz federal Murilo Mendes vai ouvir o outro piloto do Legacy, Joseph Lepore. O depoimento também será tomado por meio de videoconferência. É a primeira vez que os dois pilotos prestam depoimento à Justiça brasileira.

Edição: João Carlos Rodrigues

GolJustiçaNacionalacidenteaviãodepoimentopilotovideoconferência