Picerni quer o título da série B

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 16 de novembro de 2003 as 19:04, por: cdb

Exatamente na próxima segunda-feira, 17 de novembro, faz um ano que o Palmeiras caiu. Doze meses e várias crises depois, o time está em uma posição invejável após a segunda vitória consecutiva diante do Marília por 2 a 0, no último sábado.

Com dez pontos, basta conquistar mais um nas duas últimas rodadas para garantir a volta à Série A. Mas Jair Picerni não se satisfaz apenas com a sonhada volta à elite do futebol brasileiro.
 
– Subir com o Palmeiras será maravilhoso, mas eu quero o título. Por tudo que esse grupo mostrou durante a competição precisamos coroar com uma conquista. Eu assumo: quero o máximo que esse time pode conseguir. Vou buscar o máximo, o máximo – disse o treinador, mais do que empolgado com a campanha do Palmeiras.

Fica claro que Jair Picerni comemora, mas ainda guarda mágoa de quando foi muito questionado no clube. Só não foi demitido após a derrota em casa para o Vitória por 7 a 2 na Copa do Brasil por intervenção pessoal do presidente Mustafá Contursi.
 
– Estou conseguindo vencer no Palmeiras por causa do meu trabalho. Fiz um plano para o time e o segui. Tive de dispensar alguns jogadores. Selecionei os mais jovens e os que estavam mais interessados em fazer o clube vencer nesta difícil segunda divisão. Houve algumas perdas, um diretor saiu (Fernando Gonçalves, por não concordar com os métodos de Jair). Mas acabei provando que estava no caminho certo. Ainda bem, né? – falou.

O treinador ameaça processar quem ouse fazer graça com a série de vice-campeonatos que acumulou na carreira. Destacou na entrevista coletiva após o jogo contra o Marília que está pertíssimo de conseguir o seu oitavo acesso em clubes diferentes.
 
– Subi duas vezes com o São Caetano, outras duas com o União São João, uma com o Santo André, uma com a Inter de Limeira e uma com o Nacional da Ilha da Madeira. E estamos quase lá com o Palmeiras. A sensação de fazer um time subir é excelente – contou.

Ele explica a sua matemática agora.

– Sei que um ponto basta. Mas temos duas partidas e buscaremos o máximo, os seis pontos. Quero que o meu time escreva uma página muito bonita na história do Palmeiras. Farei tudo para isso – disse.

Picerni enfatiza a preparação que está fazendo para o jogo do próximo domingo. Por pressão da TV Globo, a partida contra o Sport será às 11 horas, no horário de Brasília.
 
– Será um calor absurdo. O futebol brasileiro tem coisas que não podemos fugir. Só que não estaremos despreparados, pelo contrário. Tenho feito o meu time treinar várias vezes durante a semana nesse horário. E isso irá continuar. Os jogadores estão se acostumando. E digo mais: o calor será para os dois clubes. Por mais que morem em Pernambuco os jogadores deles não estão acostumados a atuar nesse horário. Será terrível para o dois – destacou Picerni.

Nem a diretoria do Palmeiras sabe se a partida de domingo será em Garanhuns ou em Maceió. Graças à invasão de campo por parte da Comissão Técnica do Sport no jogo entre os dois pela segunda fase do Brasileiro, o STJD decidiu tirar o confronto de Recife.
 
– Sabemos que a preferência do Sport é fazer a partida em Garanhuns. Mas também ouvimos dizer que pode ser em Maceió. Seja onde for, não diminuiremos o cuidado com essa partida. Sabemos que depois da vitória do Sport contra o Botafogo eles tentarão nos vencer de qualquer maneira. Só que estaremos preparados – contou.

O único desfalque que o treinador terá será o faltoso Marcinho. Ele recebeu o terceiro cartão amarelo diante do Marília e está suspenso.

Será a quarta vez que ele não poderá entrar em campo por causa dos amarelos. E contra o Londrina foi expulso. Jair Picerni não pensa em pedir punição nem mesmo cobrará o atleta porque ele tem grande parcela de culpa nas faltas de Marcinho. O jogador está acostumado a marcar pela direita ou no meio, mas tem atuado improvisado, torto, na esquerda para cobrir as