PF vai investigar grupos de extermínio no Nordeste

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 2 de outubro de 2003 as 10:42, por: cdb

A Polícia Federal vai investigar a atuação de grupos de extermínio na divisa de Pernambuco com a Paraíba. A determinação é do ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos.

Um dos casos a serem investigados é o assassinato de Flávio Manoel da Silva, de 33 anos, morto a tiros por duas pessoas que passavam de moto perto de sua casa. Dias antes de ser morto, Flávio prestou depoimento à relatora de Execuções Sumárias da Organização das Nações Unidas, Asma Jahangir. A relatora está no Brasil para fazer um relatório sobre execuções sumárias no país e a atuação de grupos de extermínio. Flávio sobreviveu a um atentado em 99, que o deixou paraplégico.

A Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados identificou que em 1999, 1.148 pessoas foram assassinadas por policias ou grupos de extermínio. O Rio de Janeiro e a Bahia lideram a lista, com 259 e 250 mortes, respectivamente. Segundo o relatório, 81,79% dos casos são praticados por policiais civis ou militares.

As vítimas de grupos de extermínio e de autores de execuções sumárias têm perfil definido no Brasil: negros, pobres, moradores da periferia, com idade entre 15 e 24 anos. Na maioria dos casos, trata-se de réus primários ou de suspeitos de crimes, que poderiam passar por um processo de reinserção ou de reeducação social.