Petrobras e banco japonês assinam acordos para projetos de biocombustíveis

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 5 de março de 2007 as 17:26, por: cdb

A Petrobras  e o Japan Bank for International Cooperation (JBIC) assinaram nesta segunda-feira memorando de entendimento para avaliar as possibilidades de financiamento de projetos na área dos biocombustíveis em associação com empresas japonesas no Brasil e no exterior.

Segundo a Petrobras, os projetos avaliados incluem a produção e a comercialização de etanol,  biodiesel, bem como projetos de geração de bioeletricidade a partir do bagaço de cana-de-açúcar, além de oportunidades de obtenção de créditos de carbono.

O diretor do banco japonês Hiroshi Saito destacou a intenção da instituição de intensificar o relacionamento com a estatal brasileira.

– O memorando objetiva construir uma relação bastante abrangente visando a exportação, comercialização e venda de biocombustíveis para o mercado japonês. A Petrobras é o maior e melhor parceiro para os empreendimentos de biocombustíveis, uma vez que a empresa domina a tecnologia para etanol, biodiesel e dispõe de uma gigantesca estrutura de transporte -, afirmou.

Ainda na avaliação do diretor do JBIC, o Brasil possui condições adequadas para se transformar em um dos “maiores pólos de produção mundial de biodiesel, tendo como pano de fundo a tecnologia pioneira na produção de etanol”.

O presidente da Petrobras, Sergio Gabrielli, disse que o memorando de entendimento consolida a relação de parceria com o JBIC na área de petróleo.

– Este memorando é relacionado a biocombustíveis de uma maneira geral, mas especialmente ao etanol. O mundo hoje vive uma consciência crescente dos problemas relacionados à expansão global. Mas também em relação à importância do Protocolo de Kioto e as necessidades de se encontrar fontes alternativas para a produção de energia -, disse Gabrielli.

A parceria com o banco japonês já rendeu à Petrobras investimentos de cerca de US$ 6,5 bilhões. Os japoneses participaram de financiamentos que vão desde a exploração e produção de petróleo em áreas offshore (no mar), até a construção e ampliação da malhas de dutos, além da melhoria e modernização de refinarias.