Pesquisa aponta a fome como principal problema da África

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 28 de agosto de 2001 as 21:19, por: cdb

No relatório 2020, Perspectivas Globais de Alimentos: Tendências, Alternativas e Escolhas, os autores afirmam que fazer estimativas a longo prazo baseadas em tendências do mercado a curto prazo é “praticamente inútil”.

“Mudanças anuais nos preços e na produção podem contribuir para os problemas a longo prazo, ao encorajar a complacência durante os períodos de colheita farta”, diz o texto

Segundo os autores, para lidar com a alimentação é preciso centralizar os esforços a longo prazo: o crescimento da renda e da população, mudanças tecnológicas na agricultura e investimentos em pesquisas, irrigação e estradas.

“A expectativa é de que a população mundial aumente de 6 bilhões de pessoas, no ano 2000, para 7,5 bilhões até 2020. A disponibilidade de terra para plantio está diminuindo, e a água para a agricultura e outros usos é escassa.”

Avanços

Mas o relatório também fala de avanços. “A proporção de crianças com menos de 5 anos que sofrem de desnutrição diminuiu de 45%, no final dos anos 60, para 31% no final dos anos 90” ao sul do Saara.

“Mas, por causa do crescimento da população, o número absoluto de crianças desnutridas caiu apenas de 187 milhões para 167 milhões.”

“Essas crianças ainda têm seu desenvolvimento físico e mental comprometidos por causa da fome.”

Segundo o relatório, o custo de não fazer os investimentos necessários na região ao sul do Saara vão ser enormes, não apenas para a África mas também para o resto do mundo.