Peruano sobrevive 3 meses sem um terço do crânio

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 1 de fevereiro de 2005 as 20:01, por: cdb

Um jovem que viveu três meses com um terço do crânio “guardado” no abdome para se recuperar de uma grave lesão está passando bem e se recuperando, disseram na terça-feira médicos peruanos.

O osso do crânio de Marco Antonio Carrasco, 23, funcionário de um hotel, foi recolocado em sua cabeça depois que sua massa cerebral se recuperou de uma inflamação que havia posto sua vida em risco, informou a equipe médica do setor de neurocirurgia do hospital público Guillermo Almenara.

– Tivemos que retirar uma área ampla do crânio para que sua massa cerebral tivesse espaço e pudesse se expandir por causa da forte trauma … se não, ele poderia ter morrido – disse o chefe do setor Alejandro Rosell, em uma entrevista à imprensa.

– O cérebro do paciente está agora quase intacto … (ele) pode falar, caminhar, embora ainda tenha falhas em suas funções cognitivas, que vão melhorar –  disse o especialista.

Os médicos deixaram apenas o couro cabeludo para evitar que a massa encefálica ficasse em contato com o ar.

Carrasco foi atropelado por um carro em outubro. Depois de vários exames, constatou-se que ele tinha um edema ou uma inflamação cerebral e corria risco de vida.

– Para salvá-lo foi necessário retirar parte de seu crânio do lado esquerdo, que foi guardado em seu abdome, entre a pele, gordura e músculos para que não perdesse a compatibilidade –  disse Fernando Palacios, médico da equipe de neurocirurgia.

Segundo Palacios, depois de três meses a massa cerebral se desinflamou e os médicos voltaram a colocar o osso retirado.

A recuperação do paciente — que participou da entrevista — poderá levar de 12 a 18 meses. Depois disso, ele poderá ficar com algumas sequelas, como problemas de visão e uma leve diminuição da força no lado direito do corpo, disse Palacios.