Perspectivas do Oscar continuam incertas após Globo de Ouro

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 22 de janeiro de 2005 as 21:28, por: cdb

Embora o Globo de Ouro frequentemente aponte os rumos prováveis da corrida ao Oscar, a premiação deste ano foi tão justa que boa parte dos especialistas em palpites relativos a Hollywood ainda não estão conseguindo enxergar o futuro com clareza em suas bolas de cristal.

As vitórias de O Aviador e Entre Umas e Outras  nas categorias melhor drama e melhor musical ou comédia tinham sido previstas, e o mesmo pode ser dito da vitória de Jamie Foxx como melhor ator em musical ou comédia, por Ray. Mas os outros premiados pelo Globo de Ouro provocaram surpresa.

Na corrida para melhor ator coadjuvante, por exemplo, Thomas Haden Church, de Entre Umas e Outras, dominou os votos dos grupos de críticos, mas o Globo foi entregue a Clive Owen por Perto Demais.

Como melhor atriz coadjuvante, os críticos praticamente ignoraram Natalie Portman, mas foi ela quem levou o Globo, também por Perto Demais, derrotando Virginia Madsen, que contracenou com Church em Entre Umas e Outras.

Foi interessante observar que nem Owen, nem Portman receberam indicações do Sindicato de Atores do Cinema e da Televisão (Screen Actors Guild ou SAG), que possui um bom histórico de escolha de futuros ganhadores de Oscar.

No front da direção, os críticos têm variado muito no que diz respeito a seus favoritos, mas há meses vem se falando que este finalmente será o ano de Martin Scorsese — se bem que, no Globo de Ouro, ele tenha sido superado por Clint Eastwood, diretor de Menina de Ouro.

Diferentemente de outro trabalho de Scorsese, Gangues de Nova York, cuja violência teria sido repudiada pelos membros da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, O Aviador é um épico tradicional que não tem esse problema.

Esse fator, associado à ausência de consenso entre a crítica em relação a qualquer outro diretor, foi um ponto a favor de Scorsese, que, de fato, recebeu o prêmio de direção do Critics Choice Awards, alguns dias antes.

Um dos melhores barômetros para prever o rumo dos Oscar é o Directors Guild of America Awards (DGA ou Sindicato dos Diretores dos EUA), que apontou 50 dos últimos 56 diretores premiados com o Oscar.

Tanto Scorsese quanto Eastwood foram indicados para o DGA, além de Taylor Hackford por Ray, Alexander Payne por Entre Umas e Outras e Marc Forster por Em Busca da Terra do Nunca. A entrega dos DGA Awards acontece em 29 de janeiro. Já as indicações ao Oscar serão anunciadas na próxima terça, sendo que a premiação acontece em 27 de fevereiro.

O Globo de Ouro também deu um incentivo em direção ao Oscar a Hilary Swank, indicada para melhor atriz por Menina de Ouro. Foi a mesma coisa que aconteceu em 2000, quando ela recebeu o Globo de Ouro por Meninos Não Choram, filme pelo qual acabou ganhando também o Oscar.

Na época, sua maior concorrente era Annette Bening, por Beleza Americana. E as duas atrizes podem acabar disputando o Oscar novamente este ano, já que Bening recebeu o Globo de Ouro de melhor atriz em musical ou comédia por Being Julia.

As indicações a melhor atriz do Sindicato dos Atores foram dadas a Hilary Swank, Annette Bening, Catalina Sandino Moreno (Maria Cheia de Graça), Imelda Staunton (favorita da crítica por Vera Drake) e Kate Winslet (Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças).

Os indicados do sindicato na categoria melhor ator são Jamie Foxx, Don Cheadle (Hotel Rwanda) Johnny Depp (Em Busca da Terra do Nunca), Leonardo DiCaprio (O Aviador) e Paul Giamatti (Entre Umas e Outras). O prêmio do sindicato será entregue em 5 de fevereiro.

A vitória de Jamie Foxx por Ray foi uma das mais previsíveis do Globo de Ouro, e pode-se afirmar que faz dele o candidato favorito ao Oscar de melhor ator.

Mesmo assim, ele enfrentaria concorrência acirrada. Para começar, há Leonardo