Pelé faz as pazes com a diretoria do Santos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 18 de novembro de 2003 as 00:19, por: cdb

Pelé fez as pazes com a diretoria do Santos e retornou nesta segunda-feira à Vila Belmiro, depois de quase quatro anos afastado do clube de seu coração. Ele participou da inauguração do Memorial das Conquistas Milton Teixeira, que resgata a história do time que foi bicampeão mundial interclubes e conquistou os principais títulos do futebol.

Como sempre, sua chegada foi muito festejada e ele ficou emocionado ao visitar pela primeira vez o museu, que dedica um espaço especial para mostrar o maior ídolo santista de todos os tempos.

Para esse espaço exclusivo, Pelé selecionou algumas das peças que contam sua história e as doou ao Memorial. Ele está expondo seu acervo no Kuwait e anunciou que o material exposto poderá ser trocado futuramente.

Interessado nesse museu, ele fez uma visita recentemente à Vila Belmiro, sem anunciar. Chegou de surpresa, viu as obras ainda em andamento, gostou e resolveu colaborar.

– Fiz a doação sem dor no coração porque fiz com muita satisfação – disse ele, explicando que seu museu está sendo montado no Kuwait e parte das peças já estavam lá.

– Selecionei as que achei mais próximas, como a faixa de campeão, a chuteira que me deu o segundo título, e trouxemos aqui – contou.

Na última segunda-feira, Pelé explicou que nada tinha de pessoal contra o presidente Marcelo Teixeira, mas que discordava de sua política de construir um time milionário com jogadores veteranos.

– Não estava de acordo quanto a essa orientação e essa era minha divergência e minha tristeza era ver o clube gastando muito dinheiro com atletas em fim de carreira e não estava dando resultado enquanto tinha uma seleção de jogadores novos que não eram experimentados – disse.

 Segundo Pelé, tudo mudou quando os jovens atletas foram lançados, ‘até por obrigação’, e o Santos voltou a obter bons resultados.

– Era essa a divergência – falou.

 Um repórter perguntou a ele se o trabalho de bastidores havia ajudado o time a conseguir o título de campeão brasileiro do ano passado e a resposta foi negativa.

– O título se deve ao trabalho do Leão e dos jogadores e esse trabalho de bastidores que aparentemente consegue ajudar, não ajuda se o time não estiver bem – disse.
 
E numa noite dedicada ao passado e às conquistas do Santos, Pelé não podia deixar de falar do time de sua época.

– O Santos teve as conquistas que teve porque era o melhor time e isso ninguém desmentia; quando apresentou o futebol que está apresentando, foi campeão – falou.

Um dos segredos daquela equipe, na opinião de Pelé, foi o longo tempo em que os atletas jogaram juntos. Por isso, acha que o Santos deve manter a atual equipe por mais tempo.

– O Santos era um time jovem, eu mesmo comecei com 17 anos, mas conseguiu manter a equipe por muito tempo e ela ficou quase imbatível – contou.

Segundo o Rei, ‘se o clube conseguir manter essa equipe, chega lá’.
 
Cerca de 50 ex-jogadores compareceram à Vila Belmiro, entre eles Gilmar, Dorval, Coutinho, Clodoaldo e Orlando Peçanha. Do time atual, além do técnico Emerson Leão estavam Fábio Costa, Paulo Almeida e Robinho.