Pedro Simon defende Lei da Ficha Limpa 

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 22 de março de 2011 as 14:15, por: cdb

Ao lembrar que o futuro da Lei da Ficha Limpa será decidido nesta quarta-feira (23) em votação do Supremo Tribunal Federal (STF), o senador Pedro Simon (PMDB-RS) disse, em discurso no Plenário, que embora a questão da ética na política venha sendo discutida há muito tempo, com a apresentação de idéias, sugestões e propostas, sua implementação tem sido difícil por uma série de razões.

– Provavelmente nós, parlamentares, sejamos culpados de muitas delas. Eu diria até que, talvez, outros poderes tenham sua parcela de culpa. Essa lei veio num momento exato e teve uma repercussão excepcionalmente positiva. Ninguém dava dois centavos pela sua aprovação – disse.

Simon frisou que a ação da sociedade foi vital, pois para agir, no Brasil, perante o Congresso, o Supremo ou o Executivo, tem que haver pressão da sociedade. Ele lembrou que foi assim ao longo da história, como no caso da derrubada da ditadura e na campanha das Diretas Já, tendo sido assim também na luta pela ética na política.

– O povo conseguiu o que parecia impossível – declarou o senador.

Simon fez um apelo aos ministros do STF ressaltando a importância da Lei da Ficha Limpa. Citando o presidente do tribunal, o senador disse que a lei começou a surtir efeito imediato, quando os partidos realizaram suas convenções e muitos pré-candidatos retiraram seus nomes do pleito, foram afastados pelos próprios partidos ou foram atingidos pela aplicação da lei.

A senadora Marinor Brito (PSOL-PA) disse, em aparte, que no momento em que o Congresso Nacional assume a responsabilidade de realizar a reforma política, a sociedade tomou a iniciativa com o projeto da ficha limpa.

Da Redação / Agência Senado