Parreira faz mistério: ‘escalação, só no vestiário’

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 22 de junho de 2003 as 19:45, por: cdb

O técnico Carlos Alberto Parreira resolveu fazer mistério sobre a escalação da equipe brasileira para a partida desta segunda-feira, contra a Turquia, no estádio Geoffroy-Guichardm em Saint-Etienne.

– Nao falo de equipe. Escalação, só no vestiário – disse ele.

Na tarde deste domingo, sob o sol de quase 40 graus, só os jogadores reservas fizeram um treinamento leve. O treinador não quis dizer sequer porque estava fazendo mistério em relação à escalação.

Depois de Luís Fabiano, que está contundido, a seleção pode não contar com o meio-campo Ricardinho, do São Paulo, que sentiu dores no tornozelo devido a uma pancada recebida durante a partida contra os Estados Unidos.

Turquia

O ortopedista Luís Carlos Runco disse que ainda não sabe se o jogador terá condições de entrar em campo na segunda-feira à noite.

A forma como as outras seleções estão atuando voltou a ser alvo de críticas da comissão técnica brasileira.

Além disso, as outras equipes, ao contrário do Brasil, já trabalham com uma seleção formada, como explica Parreira:

– A vantagem das equipes européias é que elas estão disputando os campeonatos europeus. As equipes estão aí, montadas. A nossa equipe foi montada no aeroporto. A Turquia, por exemplo, possui uma espinha dorsal, com cinco jogadores experientes, mesclados com jovens.

Zagalo, auxiliar técnico da seleção, também voltou a criticar os adversários brasileiros:

– Quando a verde e amarela entra em campo todo mundo tem receio. Parece até Fórmula 1, saem atropelando. Quando as equipes européias jogam entre elas, acabam se abrindo, mas com a gente é diferente.

Talento

Paciência, segundo Parreira, é o antídoto da seleção para escapar da forte marcação dos adversários, que se tornou o grande fantasma da equipe nesta competição.

– Não há outro remédio. Porque não há velocidade onde não há espaco, uma equação que não se aplica ao futebol. Por isso, é tocar a bola com velocidade e contar com uma jogada de habilidade – disse o técnico do Brasil.

O treinador, com isso, mostra que só o talento individual dos jogadores vai fazer com que a seleção fuja do esquema tático dos adversários e chegue à vitória.

Mas a Turquia promete não ser um adversario fácil. Os jogadores acham que o time turco vai entrar “mordido”, em campo, buscando uma revanche da Copa do Mundo.

Nas duas únicas vezes que enfrentou o Brasil em copas do mundo, todas em 2002, a Turquia perdeu. Os placares foram de 2 a 1 e 1 a 0.