Parlamentares querem que Benedita devolva o dinheiro gasto em viagem

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 17 de outubro de 2003 as 09:36, por: cdb

A pressão para que a ministra da Assistência e Promoção Social, Benedita da Silva, devolva aos cofres públicos o dinheiro que usou para bancar a sua viagem à Argentina, onde participou de um encontro evangélico no dia 24 de setembro, aumentou. Depois da decisão por unanimidade da Comissão de Ética Pública de recomendar à ministra que reembolse o governo, o presidente do PT, José Genoino, o líder do governo no Senado, Aloizio Mercadante (PT-SP), e o senador Eduardo Suplicy (PT-SP) seguiram a mesma linha. “É melhor para a Benedita, para a história dela, para o governo e para o PT que o dinheiro seja devolvido”, disse Genoino.

O líder do governo no Senado, Aloizio Mercadante (PT-SP) reforçou o apelo. “Entendo as razões da viagem, mas as normas do Estado brasileiro recomendam essa atitude (a devolução do dinheiro). Errar faz parte da vida, não vejo nenhuma dificuldade em se reconhecer o erro”, disse Mercadante.

Na tentativa de salvar as aparências, Benedita alegou ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva falha de sua assessoria, que em vez de ter mandado à Casa Civil a justificativa de uma viagem de trabalho, na Argentina, escreveu que ela participaria apenas de um encontro evangélico – como saiu publicado no Diário Oficial. Procurada na época pela imprensa, Benedita chegou a agendar, às pressas, um encontro com a ministra do Desenvolvimento Social da Argentina, Alicia Kirchner, para dar caráter oficial à visita de dois dias àquele país.

Hoje, Benedita divulgou nota reiterando que viajou a trabalho e vai esperar a manifestação de Lula sobre o assunto para só então voltar ao tema. “Ciente da posição assumida pela Comissão de Ética, continuo convicta de que não cometi nenhuma irregularidade na recente viagem à Argentina”, diz a nota. “Estou confiante de que a verdade prevalecerá. Aguardarei o retorno do presidente ao País para me pronunciar a respeito da recomendação da comissão. Até lá não farei nenhum outro comentário sobre este assunto.”

A Comissão de Ética Pública, órgão ligado à Presidência da República, entendeu que a ministra não agiu de forma adequada e recomendou a devolução do dinheiro. A decisão foi tomada esta semana, no Rio, em reunião com a presença de cinco dos seis integrantes do grupo. Para a comissão o ressarcimento encerraria o assunto, a exemplo do que ocorreu no governo Fernando Henrique quando um ministro e o ex-procurador-geral da República Geraldo Brindeiro acabaram pagando parte das viagens particulares em jatinhos da Força Aérea Brasileira.

As alegações de Benedita não convenceram Genoino: “Não foi um caso de corrupção, mas de relação entre o público e o privado”, afirmou ele. O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) também defendeu a devolução. “A ministra Benedita da Silva haverá de avaliar que não se trata de uma confissão de culpa. O ressarcimento poderá contribuir para que esse pequeno problema seja considerado algo menor em relação à sua história no governo Lula”, disse Suplicy.

Já a senadora Heloisa Helena evitou condenar a atitude de Benedita, aproveitando o episódio para atacar Lula e o chamado núcleo duro do governo. “Não quero centralizar o comentário em só uma pessoa, porque isso acaba protegendo a cúpula palaciana de vergonhosas concessões éticas que estão sendo feitas”, afirmou Heloisa, criticando os “acordos de balcão para manter uma base artificial de apoio no Congresso”.

Genoino disse que o PT não tem como abrir um processo disciplinar contra Benedita. “Só há punição quando uma determinação partidária não é cumprida, quando há indisciplina. Esse, como se vê, é um caso de governo e não de partido”, afirmou Genoino. “Está claro que uma iniciativa de governo se misturou com uma iniciativa privada. Isso tem de ser resolvido logo. Não pode durar a vida toda. A devolução do dinheiro é o melhor caminho.”

No PT a avaliação é de que Benedita sofre um grande desgaste e pode perder seu ministério para o PMDB. Genoino, no entanto, afirmou que cargo de con