Parecer sobre morte de jovem em Pernambuco é adiado

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 7 de outubro de 2003 as 03:14, por: cdb

O promotor de Ipojuca, a 52 quilômetros do Recife, Miguel Sales, deu na última segunda-feira seu parecer sobre o inquérito que investiga a morte das adolescentes Maria Eduarda Dourado e Tarsila Gusmão. Contrariando o que havia anunciado a imprensa no Estado, ele devolveu o caso para a juíza local, Ildete

Veríssimo, para que sejam feitos aprofundamentos em alguns pontos da diligência. Ele alega que as provas reunidas pela polícia não são suficientes para incriminar os kombeiros Marcelo José de Lira e Valfrido Lira da Silva, principais suspeitos de terem cometido o assassinato das jovens, ambas de 16 anos.

Procurada pela imprensa, a juíza não quis especificar quais as solicitações feitas por Miguel Sales. Ela informou que vai reavaliar o caso para decidir, até o final da semana, para que seguimento policial o inquérito deve ser encaminhado. É provável que siga para o Grupo de Operações Especiais (GOE), que cuidou do caso na maior parte do tempo.

Tarsila e Maria Eduarda estavam hospedadas na casa de um amigo, em Serrambi (litoral Sul do Estado), e desapareceram após um passeio de lancha à praia de Maracaípe, em Ipojuca, no último mês de maio.
 
Elas foram encontradas mortas com vários tiros em um canavial no município de Camela, no mesmo município, dez dias depois, pelo pai de Tarsila. Após quase cinco meses de investigação, a Justiça ainda não chegou a uma conclusão sobre os responsáveis pelo homicídio.

Na última semana, os pais de Tarsila, José Vieira de Melo e Alza Gusmão, por meio de seu advogado, Bráulio Lacerda, prestaram uma queixa crime em que pedem a prisão preventiva de Valfrido e Marcelo Lira. Além das mortes, também está sob investigação uma festa que ocorreu no dia anterior ao desaparecimento das duas, na casa de Serrambi.

O Ministério Público alega que, na ocasião, teria havido consumo de álcool e de drogas diversas, além da corrupção de menores. O dono da casa, Tiago Carneiro, já foi indiciado sob acusação de ter oferecido bebidas alcoólicas às duas menores e por não ter providenciado uma volta segura de Maria Eduarda e Tarsila, de Maracaípe para Serrambi.