Para ONU, votação de referendo pode encerrar com o clima de tensão no Sudão

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 10 de janeiro de 2011 as 16:40, por: cdb

>
10/01/2011Para ONU, votação de referendo pode encerrar com o clima de tensão no Sudão

Renata Giraldi

Repórter da Agência Brasil

 

Brasília – A Organização das Nações Unidas (ONU) indicou hoje (10) otimismo em relação à participação dos eleitores nas votações do referendo no Sudão – que determinará a divisão do país em Norte e Sul. A expectativa dos especialistas estrangeiros é que com o resultado do referendo seja possível encerrar o clima de tensão que há no país. Pelas estimativas, as votações que começaram ontem (9) vão até o próximo sábado (15).

 

Dos cerca de 40 milhões de sudaneses, 4 milhões registraram-se para votar. Nos últimos meses, a preocupação era manter a paz até a votação e também depois dela, caso o governo central não aceitasse a provável vitória dos separatistas do Sul. Para ser válida, a decisão precisa ser tomada por 60% dos eleitores inscritos.

 

O ex-presidente da Tanzânia Benjamin Mkapa, que coordena a missão de observadores estrangeiros no Sudão, disse que há esperança que o resultado do referendo seja acatado por todas as partes e acabe com o impasse que domina o país.

 

Desde 2005, forças de paz das Nações Unidas atuam no Sudão para evitar o agravamento da guerra civil que já fez cerca de 4,5 milhões de vítimas, entre as quais 1,5 milhão de mortos. Em um comunicado, na semana passada, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, elogiou o tom de conciliação que há entre separatistas e o atual governo – que defende a unidade do Sudão.

 

Metade da população do Sudão está abaixo da linha da pobreza, vivendo de agricultura de subsistência e de auxílio humanitário. Apesar disso, o país é apontado como rico na produção de petróleo, gás, ouro, prata, cobre e outros minérios. No entanto, é um dos mais pobres da África.

 

Desde 1997, o governo sudanês informa seguir as recomendações do Fundo Monetário Internacional (FMI).

 

Edição: João Carlos Rodrigues