Para evitar corralito, Uruguai decretou feriado bancário

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 31 de julho de 2002 as 07:30, por: cdb

No fim da tarde de terça-feira, o presidente do Uruguai, Jorge Batlle, assinou um decreto determinando feriado bancário no país durante as próximas 24 horas. Existe temor no mercado de que o Uruguai acabe sendo obrigado a implementar um corralito, o bloqueio de depósitos adotado pela Argentina há sete meses.
No decreto, Batlle argumenta que o feriado é para solucionar a situação de um banco, o Montevidéu, do Grupo Velox. Porém a brusca queda dos depósitos e das reservas levam o mercado e os correntistas a temerem por novas medidas.
Na tentativa de reverter a situação, uma missão do governo viajou no fim-de-semana para Washington para pedir ao FMI (Fundo Monetário Internacional) a liberação de mais recursos para o país. “Se o Uruguai tiver o apoio do FMI poderá evitar o corralito”, disse o economista uruguaio Adrian Fernández, da consultoria Cinve.
O Uruguai assinou, este ano, um acordo com o Fundo, o BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) e o Banco Mundial por um total de US$ 3 bilhões. No início do mês, pediu um adiantamento de US$ 500 milhões ao Fundo. O dinheiro será liberado nos primeiros dias de agosto.
Mas para o governo a quantia já é insuficiente. Por isso, a missão viajou para pedir a liberação total da ajuda, o restante dos US$ 3 bilhões.
O objetivo é tentar repor as reservas, evitar a quebra de novos bancos e a necessidade de adoção de um corralito.
O Uruguai sempre foi o destino preferido dos correntistas argentinos e paraíso fiscal para empresas estrangeiras. Porém, com os boatos dos últimos tempos e o efeito contágio da crise argentina, cerca de 70% dos depositantes não residentes já retiraram seus depósitos daquela praça. O Uruguai é um país de três milhões e meio de habitantes, desemprego estagnado nos 16%. Nos últimos sete meses, o Uruguai perdeu 76% das reservas do Banco Central. Só neste mês de julho, com o socorro aos bancos, as reservas caíram de US$ 1,5 bilhão para US$ 725 milhões.