Para analistas, instabilidade nas bolsas do mundo é passageira

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 2 de março de 2007 as 13:26, por: cdb

Presidente da Associação dos Analistas e Profissionais de Investimentos do Mercado de Capitais (Apimec) do Distrito Federal, Alexandre Guimarães, avalia como normal o movimento das bolsas de valores de todo o mundo esta semana, acompanhando queda iniciada na última terça-feira na Bolsa de Xangai. Segundo Guimarães, a retração chinesa era esperada. porque a onda positiva de crescimento da economia do país já se estende pelos últimos cinco anos.

– Nenhum mercado fica com tendência de alta por cinco anos seguidos. Ele vai crescendo, crescendo, e uma hora tem que dar uma refrescada – explica ele.

O analista lembra que o governo da China já anunciou que vai frear o crescimento. Para o presidente do Conselho deAdministração da AssociaçãoNacional das Instituições do Mercado Financeiro (Andima), Edgar da SilvaRamos, a queda no mercado chinês se trata de um problema pontual.

– A China subiu 130% numa bolsamuito fechada, não permeável ao capital estrangeiro, o que faz com queela tenha suas loucuras, porque passa  a ser um mercado extremamente local – explica ele.

A queda em Xangai, na última terça-feira, levou a umefeito cascata que derrubou bolsas por todo o mundo nesse dia. Ao longo da semana, houve certa recuperação. As quedasnos valores das ações chegaram a repercutir na Bovespa, em São Paulo. Para Guimarães, um complicador que contribuiu para a instabilidade do mercado internacional foi uma bolha imobiliária nos Estados Unidos.

A oferta de imóveis no mercado norte-americano está muito maior do que a demanda. Os preços tendem a cair, e isso pode também refletir na economia norte-americana.”Guimarães acredita, contudo, que o reflexo dessa situação nas bolsas é passageiro.

– Isso aí vai voltar à normalidade. É uma adequação normal de mercado – estima.

Ramos, da Andima, por sua vez, acredita que “a nave norte-americana” terá um pouso suave.

– Ela ainda está crescendo a 3,5%”, diz ele, em relação à economia norte-americana – concluiu.