Paquistão pede aos EUA para divulgarem publicamente as provas contra bin Laden

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 3 de outubro de 2001 as 15:23, por: cdb

O governo do Paquistão informou que está estudando provas apresentadas pelos Estados Unidos, relativas ao suposto envolvimento do refugiado saudita Osama bin Laden com os atentados de 11 de setembro.

O ministério do Exterior do Paquistão confirmou que as autoridades do país estão analisando as supostas evidências, mas não divulgou maiores detalhes sobre elas.

Segundo o porta-voz do ministério, Riaz Khan, o Paquistão vai respeitar a abordagem americana em relação às provas a que tiveram acesso. Mas Sattar pediu que os EUA divulguem publicamente o máximo de informações que puderem.

O chanceler paquistanês explicou que, dessa forma, “a comunidade internacional terá como entender as razões que levariam os EUA a iniciar uma ofensiva militar contra o Afeganistão.”, declarou a agência de notícias britânica BBC.

Críticas

Até poucos dias atrás, o Paquistão havia informado que ainda não havia recebido nenhuma das provas em poder dos EUA de que o milionário Osama Bin Laden estava, de fato, por trás dos ataques.

Bin Laden estaria escondido no Afeganistão, e a recusa das autoridades afegãs em entregar o saudita aos EUA pode levar ao início de uma ofensiva americana contra o país.

Musharraf: apoio aos EUA sem provas contra Bin Laden
O presidente paquistanês, Pervez Musharraf, vinha sendo criticado por ter decidido dar apoio a uma provável ofensiva militar americana sem ter, antes, visto as provas contra Laden.

Em troca do apoio à ofensiva americana, inclusive militar, os EUA cancelaram as suas sanções ao Paquistão – impostas devido ao teste nuclear feito pelo país.

Ainda não se sabe ao certo quando as autoridades paquistanesas vão se pronunciar a respeito das provas.

Ainda nesta quarta-feira, a vice-ministra do Exterior da Itália, Margherita Boniver, teve uma conversa com o presidente Musharraf para discutir o futuro do rei exilado do Afeganistão, Zahir Shah.