Papa pede serenidade aos italianos, após as eleições

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 16 de abril de 2006 as 20:26, por: cdb

O Papa desejou neste domingo “concórdia” e “serenidade” aos italianos no “particular momento” vivido pelo país após as eleições, que deram a vitória à União de Romano Prodi, que concordou hoje que a Itália precisa de um clima tranqüilo e sereno, e anunciou que já está preparando o futuro Governo.

– Que o Senhor leve serenidade à comunidade nacional neste particular momento vivido pela Itália, e reforce em todos um vivo desejo de buscar a concórdia e o verdadeiro desenvolvimento para o bem-estar de todos – disse Bento XVI na mensagem enviada à Itália por ocasião da Páscoa.

A chamada do Papa à concórdia foi recebida com satisfação pelos italianos e pela classe política, que dedicam estes dias ao descanso de Páscoa, após as intensas eleições e apuração de votos. Romano Prodi passa estes dias na casa da família em Bebbio. O dia de hoje foi dedicado a passear junto com sua mulher pelo povoado e, segundo disse, o ambiente é de “tranqüilidade” e o clima é normal, após eleições “nas quais uns ganham e outros perdem”.

O democrata-cristão Prodi pediu de novo à coalizão conservadora liderada por Silvio Berlusconi que deixe de questionar a vitória da coalizão de centro-esquerda.

– Já basta. Chegou o momento de trabalhar e estou tranqüilamente trabalhando na formação do futuro Governo, e isto é o que precisa ser feito. O país precisa respirar, voar alto e se recuperar – afirmou Prodi, de 66 anos.

O líder da União negou as afirmações feitas nas últimas horas pelo ex-ministro Roberto Calderoli, referentes a que a apuração de votos foi mal feita e que, na realidade, foram os conservadores que ganharam na Câmara dos Deputados, e afirmou que o dito pelo dirigente da Liga Norte “é uma invenção”. Sem perder a compostura, Prodi acrescentou que cada vez “que parece que as águas voltam a seu leito”, em referência às acusações não provadas por parte dos conservadores de supostas fraudes eleitorais, “nasce uma nova polêmica”.

– E nascerão muitas mais. Tudo porque não se submetem (os conservadores) ao resultado do voto popular. Uma vez que acabar tudo isto e aceitarem, o resultado da vitória será mais forte. Quanto mais longa seja a tempestade, mais bela será a vitória – disse.