Palestinos são proibidos de entrar e sair de Gaza e Cisjordânia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 16 de março de 2003 as 15:31, por: cdb

Cerca de 3,5 milhões de palestinos estão, a partir deste domingo, proibidos de sair e entrar em Gaza e na Cisjordânia para que quase seis milhões de israelenses participem das festas judaicas do Purim, nas quais crianças e adultos se fantasiam e desfilam pelas principais localidades israelenses.

O fechamento dos territórios, que coincide com o ambiente pré-bélico vivido na região, se estenderá até a próxima quarta-feira, quando acabam as festividades.

A Autoridade Nacional Palestina (ANP) acusou Israel de “intensificar as agressões contra o povo palestino” e explicou que “a segurança é um pretexto para um novo castigo coletivo contra” seu povo.

“Nenhum palestino está autorizado a entrar em Israel depois dos alertas de ataques durante a festa judaica do Purim”, anunciou no último sábado (15) o Exercito israelense.

Em conseqüência da medida, cerca de 10.000 trabalhadores palestinos não puderam na manhã deste domingo, atravessar a Faixa de Gaza para Israel.

No último sábado, as autoridades israelenses também proibiram os palestinos com idade entre 15 e 30 anos de deixarem os territórios, razão pela qual cerca de 100 palestinos foram mandados de volta pelos israelenses na fronteira de Gaza com o Egito, denunciaram fontes palestinas.

O ministro de Governo Local, Saeb Erakat, afirmou neste domingo que, em vista dos fatos, “mais medidas repressivas durante a guerra contra o Iraque podem ser esperadas”.

Enquanto isso, o Exército invadiu o campo de refugiados e a cidade de Jenin, após os tanques cercarem e bombardearem os bairros por 45 minutos, segundo o Centro de Informações Palestino.

Mais tarde, os soldados israelenses entraram em várias casas palestinas e detiveram um número ainda não determinado de pessoas, disseram testemunhas.